Variabilidade espacial da sazonalidade da chuva no semiárido brasileiro

Autores

  • Wagner Martins dos Santos Universidade Federal Rural do Pernambuco
  • Rodolfo Marcondes Silva Souza Departamento de Energia Nuclear/Universidade Federal de Pernambuco
  • Eduardo Soares de Souza universidade federal rural do pernambuco
  • André Quintão de Almeida UFS/DEAGRI/PRORH
  • Antonio Celso Dantas Antonino UFPE/DEN

DOI:

https://doi.org/10.24221/jeap.2.4.2017.1466.368-376

Palavras-chave:

Entropia relativa, duração da estação chuvosa, geoestatística, krigagem, hidroclimatologia

Resumo

A chuva é um dos principais reguladores dos processos biogeoquímicos de uma região e o entendimento da sua variabilidade espacial e da sua sazonalidade ao longo ano, é fundamental para o gerenciamento dos recursos hídricos e planejamento agrícola do Semiárido brasileiro. Foi avaliada a variabilidade sazonal da chuva no Semiárido brasileiro sob três condições: i) a média mensal das séries temporais, ii) ano considerado mais chuvoso (2009) e o ano considerado mais seco (2012). Informações diárias de chuva foram obtidos da base de dados da Agência Nacional de Águas (ANA) e a partir deles, foram calculadas os valores totais precipitados nos meses e no ano, a entropia relativa (Dk), o índice de sazonalidade (Sk), o tempo característico da chuva (Ck) e a duração da estação chuvosa (Zk). Essas variáveis foram espacializadas para toda a região semiárida de modo à possibilitar a interpretação da variabilidade espacial a partir de técnicas de geoestatística. A magnitude do coeficiente de variação das variáveis foram semelhantes entre a média das séries temporais, o ano mais chuvoso e o ano mais seco, exceto para o Ck e a Zk no ano mais seco. O modelo de semivariograma esférico foi quem melhor representou a variabilidade espacial da maioria das variáveis estudadas. Na parte central do semiárido, mesmo no ano mais chuvoso, ocorreram os menores valores anuais de chuva. As medidas estatísticas de sazonalidade e variabilidade interanual da chuva utilizadas neste estudo mostraram um desempenho satisfatório na caracterização do comportamento das chuvas na região semiárida do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner Martins dos Santos, Universidade Federal Rural do Pernambuco

graduando em agronomia 

Rodolfo Marcondes Silva Souza, Departamento de Energia Nuclear/Universidade Federal de Pernambuco

Pós-doutorando do Observatório Nacional da Dinâmica da Água e de Carbono no Bioma Caatinga, UFPE/DEN

Eduardo Soares de Souza, universidade federal rural do pernambuco

Professor Associado da UFRPE/UAST, Serra Talhada-PE

André Quintão de Almeida, UFS/DEAGRI/PRORH

Professor Adjunto da UFS/DEAGRI/PRORH, São Cristóvão-SE

Antonio Celso Dantas Antonino, UFPE/DEN

Professor Titular da UFPE/DEN

Referências

CAMBARDELLA, C. A.; MOORMAN, T. B.; PARKIN, T. B.; KARLEN, D. L.; NOVAK, J. M.; TURCO, R. F.; & KONOPKA, A. E. 1994. Field-Scale Variability of Soil Properties in Central Iowa Soils. Soil science society of America Journal , v. 58, n. 5, p. 1501-1511.

CAVALCANTI, I. F. A. 2012. Large scale and synoptic features associated with extreme precipitation over South America: A review and case studies for the first decade of the 21st century. Atmospheric Research, v. 118, p. 27-40.

DE LIMA MOSCATI.; M. C.; GAN, M. 2007. Rainfall variability in the rainy season of semiarid zone of Northeast Brazil (NEB) and its relation to wind regime. International Journal of Climatology, v. 27, n. 4, p. 493-512.

FENG, X.; PORPORATO, A.; RODRIGUEZ-ITURBE. 2013. Changes in rainfall seasonality in the tropics. Nature Climate Change, v. 3, p. 811-815.

GUEDES, R. V.; SOUSA, S.e S.; SOUSA, F. S. 2010. Use of entropy and clustering analysis for the evaluation of water resources potential availability in the Northeastern Brazil. Ambiente e Agua-An Interdisciplinary Journal of Applied Science, v. 5, n. 2, p. 175-187.

HASTENRATH, S. 2012. Exploring the climate problems of Brazil’s Nordeste: a review. Climatic Change, v. 112, n. 2, p. 243-251.

KAWACHI, TOSHIHIKO; MARUYAMA, TAKEO; SINGH, VIJAY P. 2001. Rainfall entropy for delineation of water resources zones in Japan. Journal of Hydrology, v. 246, n. 1, p. 36-44.

MARENGO, J. A. 2010. Vulnerabilidade, impactos e adaptação à mudança do clima no semi-árido do Brasil. Parcerias estratégicas, Brasília, DF, v. 13, n. 27, p. 149-176.

NYS, E. D.; ENGLE, N., 2014. Living with the semi-arid and proactive drought management in Northeast Brasil: a new perspective. Washington, DC: World Bank Group. Available from: http://www.worldbank.org/pt/country/brazil/brief/brazil-publications-agua-brasil-series-water

OLIVEIRA, M. B. L. et al. Trocas de energia e fluxo de carbono entre a vegetação de caatinga e atmosfera no nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 21, p. 378–386, 2006.

RIBEIRO JÚNIOR, P. J.; DIGGLE, P. J. geoR: Analysis of geostatistical data. Disponível em:<http://CRAN.Rproject.org/package=geoR>. Acesso em 16 fev. 2015.

RODRIGUEZ, R.D.G.; SINGH, V.P.; PRUSKI, F.F.; CALEGARIO, A.T. Using entropy theory to improve the definition of homogeneous regions in the semi-arid region of Brazil, Hydrological Sciences Journal, v.7, p.150817094147005, 2015.

R CORE TEAM. R: A Language and Environment for Statistical Computing. Vienna, Austria, 2016. Disponível em: <https://www.R-project.org/>. Acessado em 28 de fevereiro de 2017.

RODY, Y. P.; DE ALMEIDA, A. Q.; RIBEIRO, A.; SEDIYAMA, G. C.; & PEZZOPANE, J. E. M. Delimitação de sítios ambientais homogêneos no Estado do Espírito Santo, com base no relevo, solo e clima. Ciência Rural, v. 40, n. 12, p. 2493-2498, 2010.

SILVA, V.P.R.On climate variability in Northeast of Brazil. Journal of Arid Environments, v. 58, n. 4, p. 575-596, 2004.

SOUZA, R.; FENG, X.; ANTONINO, A.; MONTENEGRO, S.; SOUZA, E.; & PORPORATO, A. Vegetation response to rainfall seasonality and interannual variability in tropical dry forests. Hydrological Processes, v. 30, n. 20, p. 3583-3595, 2016

Publicado

2017-08-15