Parâmetros fisiológicos de variedades de cana-de-açúcar submetidas a distintos regimes hídricos

Marcos Pereira Vinícius, Josiane Fonteneles Silva, Elizandra dos Santos Souza da Silva, Aderson Soares de Andrade Junior, Francisco Edinaldo PInto Mousinho

Resumo


A deficiência hídrica do solo afeta grande parte das áreas cultivadas no mundo, principalmente nas regiões semiáridas, provocando uma redução do crescimento e da produção vegetal, acarretando prejuízos socioeconômicos. O estudo objetivou avaliar o desempenho fisiológico de cinco variedades comerciais de cana-de-açúcar, em duas épocas de avaliação, quando submetidas a três regimes hídricos distintos, visando a seleção de genótipos mais tolerantes ao déficit hídrico e responsivos à irrigação para cultivo nas condições edafoclimáticas da microrregião de Teresina-PI. Os regimes hídricos foram impostos pela aplicação de distintas lâminas de irrigação com base na evapotranspiração de referência (ETo) (Déficit hídrico 50%, Irrigação plena 100% e Excedente hídrico 150% ETo), no período dos 90 aos 150 dias após o corte (DAC). As características fisiológicas avaliadas foram: taxa de fotossíntese, condutância estomática e transpiração, quantificadas aos 15 e 45 dias após o início da imposição dos regimes hídricos. As cultivares de cana-de-açúcar avaliadas apresentaram alterações no mecanismo fisiológico em função da disponibilidade de água no solo e do tempo de predisposição aos regimes hídricos impostos. Conclui-se que a variedade RB 962962 apresentou o melhor desempenho fisiológico quando submetida ao regime de deficiência hídrica. Em condições de irrigação plena e excedente hídrico as variedades RB 962962 e RB 98710 promoveram as maiores médias fisiológicas de fotossíntese, condutância estomática e transpiração. A variedade SP 791011 apresentou maior sensibilidade estomática, reduzindo a fotossíntese, a condutância e a transpiração, aos 45 dias após a implantação dos regimes hídricos, tanto nos tratamentos de deficiência como para o de excesso hídrico.


Palavras-chave


Condutância estomática; fotossíntese; transpiração

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ALLEN, R. G.; PEREIRA, L. S.; RAES, D.; SMITH, M. Crop evapotranspiration: guidelines for computing crop water requirements. Roma: FAO, 1998. 328p. (FAO Irrigation and Drainage Paper, 56).

BASTOS, E. A.; ANDRADE JUNIOR, A. S. Boletim agrometeorológico de 2013 para o município de Teresina, Piauí. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2014. 38p (Documento/Embrapa Meio-Norte).

CHAVES, M. M. Gas exchange studies in two Portuguese grapevine cultivars. Physiologia Plantarum, Copenhagen, v. 70, n. 4, p. 639-647, 1987

INMAN-BAMBER, N. G. Sugarcane water stress criteria for irrigation and drying off. Field Crops Research, v. 89, n. 1, p. 107-122, 2004.

INMAN-BAMBER, N. G.; SMITH, D. M. Water relations in sugarcane and response to water deficits. Field Crops Research, v. 92, n. 2, p. 185-202, 2005.

LANDELL, M. G. A. et al. Variedades de cana-de-açúcar para o Centro-Sul do Brasil. Campinas: Instituto Agronômico, 2005. 33p. (Boletim Técnico, 197).

MACHADO, R. S. et al. Respostas biométricas e fisiológicas ao déficit hídrico em cana-de-açúcar em diferentes fases fenológicas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 44, n. 12, p. 1575-1582, 2010.

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Cana-de-açúcar. Disponível em: . Acesso em: 05 de março de 2013.

MELO, F. B.; ANDRADE JÚNIOR, A. S.; PESSOA, B. L. O. Levantamento, zoneamento e mapeamento pedológico detalhado da área experimental da Embrapa Meio-Norte em Teresina, PI. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2014. 47 p. (Documentos/Embrapa Meio-Norte).

MUNNS, R. Comparative physiology of salt and water stress. Plant, Cell and Environment, v. 25, p. 239-250, 2002.

Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro – RIDESA, Catálogo nacional de variedades “RB” de cana-de-açúcar / Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro. – Curitiba, 2010.

SAS Institute. 2014. Statistical Analysis System, Procedure guide for personal computer, Cary.

SCHULZE, E. D. et al. Stomatal Responses to Air Humidity and to Soil Drought. In: ZEIGER, E.; FARQUHAR, G. D.; COWAN, I. R. (Org). Stomatal function. Stanford University Press, 1987.

SHALHEVET, J. Plants under salt and water stress. In: FOWDEN, L.; MANSFIELD, T.; STODDART, J. Plant adaptation to environmental stress. London: Chapman & Hall, 1983. Cap 7, p. 133-54.

SMITH, M. A.; SINGELS, A. The response of sugarcane canopy development to water stress. Field Crops Research, Cambridge, v. 98, p. 91-97, 2006.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.4.2017.1486.509-518

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Marcos Pereira Vinícius, Josiane Fonteneles Silva, Elizandra dos Santos Souza da Silva, Aderson Soares de Andrade Junior, Francisco Edinaldo PInto Mousinho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Obra licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.