Identificação dos índices de vegetação com melhores respostas espectrais para a Mata Atlântica na cidade de São Paulo-SP

Autores

  • Sidney Henrique Campelo de Santana Universidade Federal de Pernambuco
  • Elisabeth Regina Alves Cavalcanti Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão
  • Maria Lucielle Silva Laurentino Universidad de Valladolid, Cidade de Valladolid, Provincia de Valladolid, Comunidade autônoma de Castilla e León
  • José Gustavo da Silva Melo Universidade Federal de Pernambuco
  • Josiclêda Domiciano Galvíncio Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.24221/jeap.3.2.2018.1765.200-209

Palavras-chave:

fragments, environmental degradation, remote sensing, correlation.

Resumo

A Mata Atlântica representa grande relevância ambiental em razão da sua rica biodiversidade. No entanto esse bioma tem sido constantemente degradado pela ação humana, o que tem incentivado a adoção de técnicas mais adequadas de monitoramento ambiental. Nesse sentido, técnicas de sensoriamento remoto possuem fundamental importância para as estratégias de conservação ambiental que possam mitigar a degradação ambiental da Mata, além de propor novas possibilidades de utilização de parâmetros para o monitoramento ambiental como os índices de vegetação, a partir de imagens de satélite. Dessa forma, o estudo objetivou analisar a aplicabilidade dos índices de vegetação na cidade de São Paulo-SP. Posteriormente foram obtidos os índices de vegetação mais trabalhados atualmente, tais como o NDVI, SAVI, EVI e o IAF, bem como índices pouco trabalhados como SARVI e AFRI das imagens. Foi aplicada a correção geométrica e atmosférica nos índices de vegetação e realizada a correlação de Pearson para averiguar a afinidade entre os índices. Os resultados mostraram que todos os índices apresentaram boa correlação nas áreas, exceto os AFRIs. O SARVI com correção atmosférica foi o que melhor se correlacionou com os demais IVs, indicando este estudo ser importante para promover a discussão do desempenho dos IVs e a interação entre eles, bem como a importância dos índices para aplicabilidade nos estudos de fragmentos de mata.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sidney Henrique Campelo de Santana, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorando pelo Programa de pós-graduação em Desenvolvimento e meio ambiente - PRODEMA/UFPE 

Elisabeth Regina Alves Cavalcanti Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

Doutoranda pelo Programa de pós-graduação em Desenvolvimento e meio ambienteProfessora EBTT de engenharia ambiental do IFMA

Maria Lucielle Silva Laurentino, Universidad de Valladolid, Cidade de Valladolid, Provincia de Valladolid, Comunidade autônoma de Castilla e León

Mestra pela Universidad de Valladolid, Comunidade autônoma de Castilla e León

José Gustavo da Silva Melo, Universidade Federal de Pernambuco

Mestre pelo Programa de pós-graduação em Desenvolvimento Urbano - MDU/UFPE

Josiclêda Domiciano Galvíncio, Universidade Federal de Pernambuco

Coordenadora do programa de pós-graduação em desenvolvimento e meio ambiente - PRODEMA/UFPE;Coordenadora do laboratório de pesquisa em sensoriamento remoto e geoprocessamento - SERGEO/UFPE;Professora Doutora no Departamento de Ciências Geográficas - UFPE.

Referências

ALLEN, R. G., TASUMI, M. TEREZZA. R. 2002. Sebal (Surface Energy Balance Algorithms for Land) – Advanced Training and User Manual – Idaho Implementation, version 1.0.

BASTIAANSSEN, W. G. M. 1995. Regionalization of surface flux densities and moisture indicators in composite terrain. Ph.D. Thesis, Wageningem Agricultural University, Wageningen, Netherlands, 273p.

BIONDI, D. 2015. Floresta urbana. In: BIONDI, D. Floresta urbana. Curitiba.

FERNANDES, A. C. G; COUTINHO, M.A. N.; SANTOS, V. G.; NASCIMENTO, C. R. 2016. Utilização de intervalos de índices de vegetação e temperatura da superfície para detecção de queimadas. Cad. Ciênc. Agrá., [s.l.], v. 8, n. 2, pp. 30-40, ISSN 2447-6218.

FONTANA, D. C.; BERLATO, M. A.; BERGAMASCHI, A. 1988. Relação entre índice de vegetação global e condições hídricas no Rio Grande do Sul. Pesquisa Agropecuária Brasileira, [s.l.], v.33, n.8, p. 1399-1405.

GRISE, M. M.; BIONDI, D.; ARAKI, H. 2016. FLORESTA, Curitiba, PR, v. 46, n. 4, p. 425-438, out. / dez.

HUETE AR. 1988. A soil-adjusted vegetation index (SAVI). Remote Sensing of Environment, [s.l.], n. 25: 295-309.

JENSEN, J. R. 2009. Sensoriamento Remoto Do Ambiente: Uma Perspectiva Em Recursos Terrestres. Tradução José Carlos Neves Epiphanio (Coord.). [Et Al]. São José Dos Campos: Parêntese.

LIRA, D. R.; ARAUJO, M. S. B.; SA, E. V.; Da SILVA, H. A. 2010. Mapeamento e Quantificação da Cobertura Vegetal do Agreste Central de Pernambuco Utilizando o NDVI. Revista Brasileira de Geografia Física, [s.l.], v. 03, pp. 157-162.

MARKHAM, B. L.; BARKER, J. L. 1986. Landsat MSS and TM post-calibration dynamic ranges, exoatmospheric reflectances and at satellite temperatures, EOSAT Landsat Tech. Note, pp. 3-8.

OLIVEIRA, A. C. R. de. CARVALHO, S. M. 2010. Arborização de vias públicas e aspectos socioeconômicos de três vilas de Ponta Grossa-PR. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 5, n. 3, pp. 42-58.

PONZONI, F. J. 2002. Sensoriamento remoto no estudo da vegetação: diagnosticando a mata atlântica. In: RUDORFF, Bernardo Friedrich Theodor; MORAES, Elisabete Caria; PONZONI, Flávio Jorge; CAMARGO JÚNIOR, Hélio; CONFORTE, Jorge Conrado; MOREIRA, José Carlos; EPIPHANIO, José Carlos Neves; MOREIRA, Maurício Alves; KAMPEL, Milton; ALBUQUERQUE, Paulo Cesar Gurgel de; MARTINI, Paulo Roberto; FERREIRA, Sérgio Henrique; TAVARES JÚNIOR, Stélio Soares; SANTOS, Vânia Maria Nunes dos (Ed.). Curso de uso de sensoriamento remoto no estudo do meio ambiente. São José dos Campos: INPE, 2002. p. 27. Capítulo 8. (INPE-8984-PUD/62). Disponível em: <http://urlib.net/sid.inpe.br/sergio/2005/06.14.13.11>.

PONZONI, F. J.; SHIMABUKURO, Y. E. 2007. Sensoriamento Remoto no estudo da vegetação. São José dos Campos: Parêntese, 144p.

ROUSE, J. W.; Haas, R. H.; Schell, J. A.; Deering, D. W. 1973. Monitoring vegetation systems in the great plains with ERTS. In: Earth Resources Technology Satellite-1 Symposium, 3., Washington, D. C., 1973. Proceedings. Washington, D. C.: NASA. Goddart Space Flight Center, [s.l.], v. 1, p. 309- 317. (NASA SP-351).

SILVA, B. B.; MENDONÇA, R. R. O; SILVA, S. T. A.; FERREIRA, R. da C. 2008. Mapeamento do albedo de áreas heterogêneas do Estado da Ceará com imagens TM - Landsat 5. Revista de Geografia. Recife, v. 25, p. 33-52.

SILVA, E. R. A. C.; MELO, J. G.; GALVINCIO, J. D. 2011. Identificação das Áreas Susceptíveis a Processos de Desertificação no Médio Trecho da Bacia do Ipojuca - PE através do Mapeamento do Estresse Hídrico da Vegetação e da Estimativa do Índice de Aridez. Revista Brasileira de Geografia Física, [s.l.], v. 4, n. 3, pp. 629-649.

SILVA, E.R.A.C; GALVÍNCIO, J. D.; J. L. B. NETO; MORAIS, Y. C. B. 2015a. Space-Time Analysis of Environmental Changes and your Reflection on the Development of Phenological of Vegetation of Mangrove. Journal of Agriculture and Environmental Sciences. [s.l.], v. 4, n. 1, pp. 245-253.

SILVA, E. R. A. C; MORAIS, Y. C. B; SILVA J. F da; GALVÍNCIO, J. D. 2015b. Water consumption irrigation for banana farming in edaphoclimatic conditions of the stream of Pontal basin in Semiarid of Pernambuco. Revista Brasileira de Geografia Física, [s.l.], v. 8, pp. 921-937.

SILVA J. F.; SILVA, E. R. A. C.; FERREIRA, P. dos S. GOMES, V. P.; BARBOZA, K. M. do N.; CANDEIAS A. L. B. 2016. Spatial-temporal evolution analysis of the vegetation in the Chapadinha microregion (Maranhão, Brazil) through remote sensing. Journal of Hyperspectral Remote Sensing. [s.l.], v.6, n.6. pp. 329-337.

TUCKER, C.J. Red and Photographic Infrared Linear Combinations for Monitoring Vegetation. Remote Sensing of Environment, [s.l.], n. 8, 1979, pp.127-150.

Publicado

2018-04-16