Inventário das plantas arbustivo-arbóreas utilizadas na arborização urbana em praças públicas

Autores

  • Letícia Soares da Silva
  • Ykaro Richard Oliveira
  • Paulo Henrique da Silva
  • Rejane Magalhães de Mendonça Pimentel
  • Maria Carolina de Abreu

DOI:

https://doi.org/10.24221/jeap.3.2.2018.1834.241-249

Palavras-chave:

Áreas verdes, espécies arbustivo-arbóreas, fitossanidade

Resumo

Áreas verdes são espaços livres na cidade que devem possuir algum tipo de vegetação e tendem a assumir funções social, estética, ecológica, educativa e psicológica. A arborização urbana caracteriza-se como um dos elementos mais importantes que compõem o ecossistema das cidades e parte dessa arborização envolve as praças da cidade. Picos é uma cidade que apresenta temperaturas altas o ano todo e espaços públicos, como suas praças, são uma alternativa para proporcionar bem-estar para a população em geral. Deste modo, este estudo objetivou realizar um inventário das plantas arbustivo-arbóreas existentes em cinco das principais praças do município de Picos-PI, considerando: riqueza e abundância de espécies, fitossanidade, origem fitogeográfica e presença de plantas tóxicas. Um total 252 indivíduos vegetais foi levantado, distribuídos em 35 espécies e 17 famílias botânicas. As cinco espécies de maior ocorrência foram Ixora coccinea, Azadirachta indica, Adenanthera pavonina, Terminalia catappa e Duranta repens, representando 62,69% da comunidade estudada, sendo a praça Antenor Neiva a de maior riqueza de indivíduos. Na relação entre riqueza e abundância de espécies, verificou-se 7,2 indivíduos/espécie. Com relação à origem fitogeográfica, identificou-se 51% de espécies exóticas e 49% de nativas. A análise da fitossanidade mostrou que 95,23% das árvores encontram-se em boas condições, sem apresentar danos visíveis. Quanto  à presença de plantas tóxicas ou comprovada atividade alergênica, indicou-se as espécies Thevetia peruviana, Duranta repens e Mangifera indica, as quais podem representar algum risco para as pessoas que frequentam as praças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, E. V. E. J.; GUILHERME, F. A. G. 2014. Arborização em praças no município de Jataí, GO, Brasil. Revista Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 9, n. 2, p 18-33.

APG IV (ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP). 2016. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classifcation for the orders and families of flow. ering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 181, n. 1, p. 1-20.

ASSUNÇÃO, K. C.; LUZ, P. B.; NEVES, L. G.; SOBRINHO, S. P. 2014. Levantamento quantitativo da arborização de praças da cidade de Cáceres/MT. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 9, n. 1, p 123-132.

BARGOS, D. C; MATIAS, L. F. 2011. Áreas verdes urbanas: um estudo de revisão e proposta conceitual. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v.6, n.3, p.172-188.

BOENI, B. O.; SILVEIRA, D. 2011. Diagnóstico da arborização urbana em bairros do município de

Porto Alegre, RS, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v.6, n.3, p.189-206, 2011.

BRITO, D. R. S.; RAABEL, J. ; SOUSA, W. C.; MELO, R. R.; PEDROSA, T. D. 2012. Diagnóstico da arborização das praças pública no município de Bom Jesus, Piauí. Scientia plena, v. 8, n. 4. p. 1-6.

CAMILO, M. T. A.; MIRANDA, S. C. 2015. A vegetação lenhosa nas praças públicas do município de Palmeiras de Goiás-GO. SaBios, v. 10, n. 3, p. 119-127.

COSTA, C. F.; FONSECA, R. S.; ALMEIDA, D. B.; OLIVEIRA, M. S.; OLIVEIRA, D. S.; BRAGA, J. H. P. 2017. Espécies utilizadas na arborização em praças do município de Caxias, Maranhão. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 12, n. 1, p. 65-78.

DIZERÓ, J. D. 2006. Praça do interior paulista: estudos de caso nas cidades de Ribeirão Preto e Monte Alto/SP. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de Campinas- PUC, Campinas, 159p.

FERNANDES, A.; BEZERRA, P. 1990. Estudo fitogeográfico do Brasil. Stylus Comunicações, Fortaleza.

FREITAS, W. K.; PINHEIRO, M. A. S.; ABRAHÃO, L. L. F. 2015. Análise da Arborização de Quatro Praças no Bairro da Tijuca, RJ, Brasil. Floresta e Ambiente, v. 22, n. 1, p. 23-31.

GÓES, G. S.; OLIVEIRA, M. Z. A. 2011. Arborização de ruas e praças em Salvador, Bahia. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v.6, n.2, p. 22-43.

GUIZZO, D. J.; JASPER, A. 2005. Levantamento das espécies arbóreas dos passeios das vias públicas do Bairro Americano de Lajeado – RS, com indicação de problemas já existentes. Pesquisas botânica, São Leopoldo, n 56, p.185-208.

IBGE. 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: < http: http:// www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=220800. Acesso em 12 de dezembro de 2014.

LEÃO, T. C. C.; ALMEIDA, W. R.; DECHOUM, M. de S.; ZILLER, S. R. 2011. Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil: Contextualização, Manejo e Políticas Públicas. Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste e Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental. Recife, PE.

LIMA NETO, E. M.; RESENDE, W. X. R.; SENA, M. G. D.; SOUZA, R. M. S. 2007. Análise das áreas verdes das praças do bairro centro e principais avenidas da cidade de Aracaju-SE. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 2, n. 1, 2p. 17-33.

LINDENMAIER, S. D.; SANTOS, O. 2008. Arborização urbana das praças de Cachoeira do Sul-RS-BRASIL: Fitogeografia, diversidade e índice de áreas verdes. Revista Pesquisas botânicas, n.59, p. 208-319.

LORENZI, H. 2001. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1. 4ª. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum.

LORENZI, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 2. 2ª. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum.

LORENZI, H. 2009. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, vol. 3. 1ª. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum.

LORENZI, H. 2013. Plantas para jardim no Brasil: herbáceas, arbustivas trepadeiras. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum.

LORENZI, H. KAHN, F.; NOBLICK, L. R.; FERREIRA, E. 2010. Flora brasileira Lorenzi: Arecaceae (palmeiras). Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum.

LORENZI, H. SOUZA, H. M.; TORRES, M.A.V.; BACHER, L. B. 2003. Plantas exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum.

LORENZI, H.; SOUZA, M. S. 2001. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3ª. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Platarum.

MATTA, B. L.; MAZZIERO, F. F. F.; BASTOS, R. K.; OLIVEIRA, R. S.; GALASTRI, N. A. 2017. Árvores, palmeiras e cicas de quatro praças do município de Jaú, SP. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. v. 12, n. 3, p. 80-93.

MENDONÇA, M. G. 2000. Políticas e condições ambientais de Uberlândia - MG no contexto estadual e federal. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Geografia, Uberlândia.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. 2006. Espécies exóticas invasoras: situação brasileira / Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas. – Brasília: MMA, 24 p.

MOREIRO, A. M.; SANTOS, R. F.; FIDALGO, E. C. C. 2007. Planejamento ambiental de áreas verdes: estudo de caso de Campinas-SP. Revista do Instituto Florestal, v. 19, n. 1, p. 19-30.

MORI, S.; SILVA, L. A. M.; LISBOA, G.; CORADIN, L. 1989. Manual de manejo do herbário fanerogâmico. Ilhéus: CEPLAC.

OLIVEIRA, M. S.; FERREIRA, A. W. C.; LOPES, J. R. S.; REIS, J. R.; SILVA JUNIOR, W. R.; COSTA, J. A. 2017. Espécies vegetais presentes em praças e avenidas do município de Aldeias Altas, Maranhão, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 12, n. 4, p. 13-22.

REDIN, C. G.; TROJAHN, C. D. P.; GRACIOLI, C. R.; LONGHI, S. J. 2010. Análise da arborização urbana em cinco praças do município de Cachoeira do Sul, RS. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 5, n. 3, p. 149-164.

ROCHA, R. T.; LELES, P. S. F.; OLIVEIRA NETO, S. N. 2004. Arborização de vias públicas em Nova Iguaçú, RJ: O caso dos bairros Rancho Novo e Centro. Revista Árvore, v. 28, n. 4, p. 599-607.

RODRIGUES, L. S.; COPATTI, C. E. 2009. Diversidade arbórea das escolas da área urbana de São Vicente do Sul/RS. Revista Biodiversidade Pampeana, v. 7, n. 1, p. 7-12.

SANTOS, A. F.; JOSE, A. C.; SANTOS, P. A. 2013. Fitossociologia e diversidade de espécies arbóreas das praças centrais do município de Gurupi-TO. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 8, n. 4, p 36‐46.

SILVA, C. D. D. 2016. Composição florística do bairro Nossa Senhora de Nazaré, Natal-RN: Subsídios para arborização urbana. UNISANTA Bioscience, v. 5, n. 2, p.169-175.

SILVA, C. D. D.; ALMEIDA, L. M. 2016. Composição florística e fitossociológica das praças do bairro de Neópolis, Natal-RN. Revista Cultural e Científica do UNIFACEX, v. 14, n. 2, p. 86-103.

SILVA, L. C. 2009. Plantas ornamentais tóxicas presentes no shopping Riverside Walk em Teresina – PI. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 4, n. 3, p.69-85.

SILVA, L. M.; HASSE, I.; MOCCELIN, R.; ZBORALSKI, A. R. 2007. Arborização de vias públicas e a utilização de espécies exóticas: O caso do Bairro Centro de Pato Branco/PR. Scientia Agraria, v.8, n.1, p.47-53.

SILVA R. N.; GOMES M. A. S. 2013. Comparação quali-quantitativa da arborização em espaços públicos da cidade de Arapiraca-AL. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 8, n. 2, p. 104‐117.

SILVA, R. F. L.; RODRIGUES, J. S.; LUCENA, M. F. A. 2017. Avaliação das espécies vegetais utilizadas na arborização em canteiros e praças de Tuparetama, Pernambuco, Nordeste do Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 12, n. 1, p. 132-141.

SINITOX - Sistema Nacional de Informações Tóxico Farmacológicas. Plantas tóxicas no Brasil. Disponível em: < http://www.fiocruz.br/sinitox_novo/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=313>. Acessado em 12 novembro de 2014.

SOUSA, O. P. S.; SOUZA, P. T. S.; FREITAS, A. D. D.; PARAENSE, V. C.; SOUZA, D. V. 2014. Diagnóstico quali-quantitativo da arborização das praças do município de Altamira, Pará. Enciclopédia Biosfera, v. 9, n. 17.

WANDERLEY, R. J. C.; PEREZ, C. A. M.; RABELO, D.; SOUZA, P. A.; GIONGO, M.; SANTOS, A. F. 2017. Estudo quali-quantitativo e percepção ambiental da arborização do setor jardim sevilha, Gurupi – TO. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 12, n. 4, p. 53-68.

WINTERS, H. M. G. 2000. Plantas ornamentais tóxicas. Holambra, SP: Centro Paisagístico.

Publicado

2018-04-25