Rotulagem da goma de tapioca

Autores

  • Maria Clara Leopoldino Santos Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Neide Kazue Sakugawa Shinohara Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Rejane Magalhães de Mendonça Pimentel Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Maria do Rosário de Fátima Padilha Universidade Federal Rural de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.24221/jeap.3.3.2018.2085.330-338

Palavras-chave:

Mandioca, rótulo, fécula

Resumo

A partir da mandioca bruta (Manihot esculenta), origina-se uma gama de derivados, inicialmente descobertos pelos indígenas, como a fécula, extraída de suas raízes e posterior decantação, resulta no material sólido que chamamos de goma de tapioca. Devido ao grande consumo na região pernambucana, com a popularização de seus subprodutos, como a tapioca, preparação fácil e rápida, sem glúten e sem lactose, levou essa raiz tuberosa a ser comercializada em todo o país. Este estudo objetivou analisar os rótulos das gomas de tapioca comercializadas na Região Metropolitana do Recife. O grupo amostral foi de 20 embalagens íntegras, que foram analisadas seguindo as Normas Técnicas e Legislações vigentes sobre rotulagem quanto este produto. rótulos de goma de tapioca, sejam gerais ou nutricionais, exercem um papel fundamental para a construção de um novo paradigma de alimentação, pois permite que os consumidores obtenham garantia de segurança alimentar e nutricional, ao analisar e comparar informações inscritas nas embalagens dos alimentos. As regulamentações e normas possuem uma linguagem extremamente não-didática, produzidas apenas para pessoas habilitadas quanto ao conhecimento das legislações pertinentes. Foi confirmada a existência de contradições sobre um mesmo aspecto, dificultando a análise dos rótulos. A ausência de fiscalização da regulamentação pelos órgãos competentes é reforçada pelas incoerências da rotulagem e falta de orientação para os produtores da goma de tapioca. É necessária promoção de ações educativas que permitam o entendimento das informações para que o consumidor possa se beneficiar da escolha do produto.

Referências

ARAÚJO, H. M. C.; ARAÚJO, W. M. C.; BOTELHO, R.B.A.; ZANDONADI, R.P. 2010. Doença celíaca, hábitos e práticas alimentares e qualidade de vida. Revista Nutrição, v. 23, n. 3, p. 467-474.

ARAÚJO, W. D. R. 2017. Importância, Estrutura e Legislação da Rotulagem Geral e Nutricional de Alimentos Industrializados no Brasil. Revista Acadêmica Conecta FASF, V1 N2, 35-50p.

BRASIL. 2003a. Resolução Anvisa nº 359, de 23 de dezembro de 2003. Aborda o Regulamento técnico de porções de alimentos embalados para fins de rotulagem nutricional. Ministério da Saúde. Brasil.

BRASIL. 2002a. Portaria Inmetro nº 157, de 19 de agosto de 2002. Regulamento Técnico Metrológico. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Brasil.

BRASIL. 2005a. Resolução Anvisa nº 263, de 23 de setembro de 2005. Aborda o Regulamento técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos. Ministério da Saúde. Brasil, 368-369p.

BRASIL. 2002b. Resolução Anvisa nº 259, de 20 de setembro de 2002. Trata do Regulamento Técnico sobre rotulagem de alimentos embalados. Diário Oficial da União. 184. Brasil, Seção 1, p. 33-34.

BRASIL. 2003b. Resolução Anvisa nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Consiste no Regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados - composição nutricional e a disposição da ordem obrigatória de nutrientes. Ministério da Saúde. Brasil.

BRASIL. 2003c. Lei nº 10674, de 16 de maio de 2003. Lei que exige que os produtos alimentícios comercializados informem no rótulo a presença de glúten, como medida preventiva aos celíacos. Coordenação de Estudos Legislativos - Cedi. Brasília.

BRASIL. 2005b. Instrução Normativa nº 23, de 14 de dezembro de 2005. Regulamento técnico de identidade e qualidade dos Produtos amiláceos derivados da raiz de mandioca. Ministério Da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n°23. Brasil, 15 dez. 2005.

BRASIL. 2006. Lei nº 11.346 de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas a assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União 2006; 18 set.

BRASIL. 2010. Portaria Inmetro nº 453 NBR 13230, de 1 de dezembro de 2010. Regulamento Técnico Metrológico Simbologia indicativa de reciclabilidade e identificação de materiais plásticos – Simbologia. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Brasil.

BRASIL. 2014. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia Alimentar para a População Brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde.

CAVADA, G. S.; PAIVA, F. F.; HELBIG, E.; BORGES, L. R. 2012. Rotulagem nutricional: você sabe o que está comendo." Brazilian Journal of Food Technology, V.15, N1, 84-88p.

COLTRO, L.; GASPARINO, B. F. e QUEIROZ, G. de C. CETEA, ITAL (org.), 2008. Reciclagem de materiais plásticos: a importância da identificação correta. Polímeros: Ciência e Tecnologia, V18, N2, 119-125p.

DIAS, N.; BARBOSA, R. M. dos S. P.; RODRIGUES, R. A. 2017. Rupturas e permanências na produção da tapioca em Parintins/AM. Revista Eletrônica Mutações, v. 8, n. 14, p. 355-361. ISSN 2178-7018. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/relem/article/view/3605>. Acesso em: 02 fev. 2018.

FELINTO, V.T., 2009. Análise da rotulagem quanto a presença de glúten em chocolates. Monografia (especialização)—Universidade de Brasília, Centro de Excelência em Turismo, 2008. 19p.

GASPAR, L. 2008. Patrimônio imaterial de Pernambuco. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: 17 dez. 2017

MAIOR, M. S. 2012. Comes e Bebes do Nordeste. Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, p159.

MARIN, B.R.; ARAÚJO, I. S. DE; JACOB, S. DO C. 2014. Vigilância Sanitária e direito à comunicação: a rotulagem de alimentos como espaço de cidadania. Vigilância Sanitária em Debate, V.4, N2, 86-95p.

MARTINS, U. 2013. Tapi (Pão) oca (Casa) – Tapioca, o pão do Brasil. Disponível em: <http://www.projetosapoti.com.br/?p=558>. Acesso em: 20 nov. 2017.

MARTINS, U.; SALES, J. 2006. A Culinária Derivada da Mandioca e sua Utilização para o Turismo no Ceará. Monografia (Especialização) - Curso de Turismo, Ifce, Ceará.

MARTINS, U; COSTA, C; BAPTISTA, M. M. 2017. A Valorização da Gastronomia Tradicional no Contexto Turístico: o Caso da Tapioca em Fortaleza. Revista Turismo, Estudos e Práticas. V6, N1, 127-146p.Disponível em: <http://periodicos.uern.br/index.php/turismo/article/view/2282>.

MEDEIROS, A.; DE MEDEIROS C. F.; JUNIOR, F. N. 2004. Pedro Nunes e o problema histórico da compreensão da medição das frações. Ciência & Educação, V3, N10, 559-570p.

NASCIMENTO, C.; RAUPP, S. M. M.; TOWNSEND, R. T.; BALSAN, G. A.; MINOSSI, V. 2013. Conhecimento de consumidores idosos sobre rotulagem de alimentos. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção 3, V3, N4, 144-147p.

RIBEIRO, J. M. A; RIBEIRO, M. J. S; BARROS, M. R. C. 2015. Avaliação dos Rótulos de Suplementos Nutricionais para praticantes de atividade física. Revista Nutrição em Pauta. V23, N132, 18-23p.

SARMENTO, S.B.S. 2010. Legislação Brasileira para derivados da mandioca. Revista Raízes e Amidos Tropicais, v.6, n.1, p.99-119.

SILVA, E. B. 2014. Educação Alimentar e Nutricional: Planejamento e execução de projetos educativos. Revista Nutrição em Pauta, V22, N126, 40-45p.

TERSI, M. J. A ambivalência da técnica: os alimentos transgênicos e o direito à informação do consumidor. 2011. 174p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, 2011. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/98931>

Publicado

2018-07-31