O uso do WhatsApp® na educação: análise do aplicativo no ensino de Química

Autores

Palavras-chave:

Ensino Colaborativo, Redes Sociais, Novas Ferramentas Pedagógicas.

Resumo

A sociedade contemporânea vem apresentando uma evolução e desenvolvimento constante, afetando os mais diversos setores. Nesse sentido, a educação deveria acompanhar as evoluções socioculturais assim como tecnológicas, representadas pelas Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC), apresentando novas técnicas e práticas pedagógicas valorizando a construção do conhecimento. Uma das TDIC mais utilizadas têm sido as redes sociais, pois elas têm o potencial de ampliar a interação entre alunos e entre professores e alunos, servindo como suporte para o processo de ensino e aprendizagem. Assim, este trabalho tem como objetivo analisar o uso da rede social (WhatsApp®) entre educadores, educandos e colaboradores, como ferramenta para desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem na disciplina de Química. Para isso, realizamos uma pesquisa exploratória de cunho quantitativo e qualitativo que se desenvolveu de forma colaborativa entre os participantes, na qual os estudantes tinham oportunidades de resolverem questões e debatê-las, sendo estimulados pelos colaboradores e pelos professores. O trabalho constou da criação de um grupo de estudo no aplicativo WhatsApp®, intitulado “Solução em WhatsApp®” sendo aplicado a estudantes do terceiro ano do ensino médio de uma escola pública. Os resultados mostram que o grupo se tornou um espaço virtual de ensino e aprendizagem baseado em debates direcionados. Além disso, os dados obtidos na pesquisa indicam que o uso de ferramentas tecnológicas por professores ainda é tímido diante da diversidade de recursos tecnológicos disponíveis. Por fim, consideramos que o uso do WhatsApp® na educação se torna um recurso fundamental em uma sociedade conectada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguilar, Marcia B. R., Oliveira, Iara T., Botero, Wander G. (2016). As representações sociais dos estudantes pré-vestibulandos sobre a disciplina de Química. Revista Thema, 13(3), 50-60.

Agustín-lacruz, Maria D. C., Gómez-díaz, Raquel., Fujita, Mariângela S. L., (2011). Projeto colaborativo em ambientes digitais de atividades de aprendizagem e avaliação para aquisição de competências em informação e documentação. TransInformação, 23(2), 89-94.

Alexandre, Carla., Peres, Flávia. (2011). A Educação que Motiva: o uso de rede social e jogos a favor da aprendizagem significativa. Hiper Testus: revista digital, 1(7), 1-13.

Araújo, Patrício C., Bottentuint Junior, João B. (2015). O aplicativo de comunicação WhatsApp® como estratégia no ensino de Filosofia. Temática, 2, 11-23.

Barbosa, Christiano A. (2013). O aplicativo que virou febre. Recuperado em 01 de janeiro de, 2016, de http://fmanha.com.br/blogs/pontodevista/2013/08/18/o-aplicativo-que-virou-febre/.

Barreto, Elba S. S., Mitrulis, Eleny. (2001). Trajetória e desafios dos ciclos escolares no país: estudos avançados. Estudos Avançados, 15(42), 103-140.

Boavida, Ana M., Ponte, João P. (2002) Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. In GTI (Org.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM. p. 43-55.

Bonilla, Maria H., Pretto, Nelson L. (2015). Movimentos colaborativos, tecnologias digitais e educação. Em Aberto, 28(94), 1-240. Recuperado em 04 de fevereiro, 2017, de http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485895/Movimentos+colaborativos%2C+tecnologias+digitais+e+educa%C3%A7%C3%A3o/e01b8168-9865-4f95-8b17-b0acb64e7316?version=1.3.

Brito, Jéssica P. (2016) A Importância do Letramento Digital na Educação Básico. 24 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de Letras, Universidade Estadual da Paraíba, Guarabira.

Cano, Débora S., Sampaio, Izabela T. A. (2007). O Método de Observação na Psicologia: Considerações sobre a Produção Científica Interação em Psicologia. Interação Psicológica. 11(2), 199-210.

Chassot, Attico. (2004). A ciência é masculina? É, sim senhora! Revista Contexto & Educação, 19(71-72), 9-28.

Coscarelli, Carla V., Ribeiro, Ana E. (Orgs). (2017). Letramento Digital: Aspectos Sociais e Possibilidades Pedagógicas. 3. ed. São Paulo: Autêntica. p. 248.

Cunha, Larissa S., Tonetti, Pedro., Sanavria, Claudio Z. (2017). O Ensino de Informática no Brasil: Uma Análise da Produção Científica em Eventos da SBC (2010–2014). Anais do Computer on the Beach, p. 031-040.

Damiani, Magda F. (2008). Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, (31), 213-230.

Freire, Paulo. (1979). Educação e Mudança. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freitas, Henrique., Moscarola, Jean. (2002). Da Observação à Decisão: métodos de pesquisa e de análise quantitativa e qualitativa de dados. RAE-eletrônica, 1(1), 1-30.

Freitas Junior, José C. S., Saccol, Amarolinda Z. Silva, Juliana V. V. M., Barbosa, JORGE L. V. Lucas, Baldasso. (2014). O uso do Aplicativo WhatsApp® como Recurso de M-learning no Ensino e Aprendizagem em Cursos de Administração. In: SEMEAD, 18, São Paulo. São Paulo: Semead, 2014. p. 1 - 16. Recuperado em 15 de janeiro de, 2016, de http://sistema.semead.com.br/18semead/resultado/trabalhosPDF/1079.pdf.

Gadotti, Moacir. (2000). Perspectivas Atuais da Educação. São Paulo em Perspectiva, 14(2), 3-11.

Gatti, Bernardete A. (2016). Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista internacional de formação de professores, 1(2), 161-171.

Honorato, Wagner A. M., Reis, Regina S. F. (2014) WhatsApp® - uma nova ferramenta para o ensino. In: Simposiode Desenvolvimento Tecnologias e Sociedade, 4., 2014, Itajubá. Sidetec. Itajubá: UNIFEI, p. 1 - 6.

Juliani, D. P., Juliani, J. P., Souza, J. A., & Bettio, R. W. (2012). Utilização das Redes Sociais na Educação: guia para o uso do Facebook em uma instituição de ensino superior. Revista Novas Tecnologias na Educação, 10(03), 1-11.

Kaieski, Naira., Grings, Jacques A., Fetter, Shirlei A. (2015). Um Estudo Sobre as Possibilidades Pedagógicas de Utilização do WhatsApp®. Revista Novas Tecnologias na Educação, 13(2), 1-10.

Kochhann, Andréa., Ferreira, Keila C. B., Souza, Julyanna M. (2015). O uso do WhatsApp® como Possibilidade de Aprendizagem: uma experiência no ensino superior. In: Semana de Integração: XIII Semana de Letras, XV Semana de Pedagogia e I Simpósio de Pesquisa e Extensão (Simpex) – “Educação e Linguagem: (Re) Significando O Conhecimento”, 4., 2015, Inhumas: UGE, 2015. p. 473 - 483.

Leite, Bruno S. (2018). Aprendizagem Tecnológica Ativa. Revista Internacional de Educação Superior, 4(3), 580-609.

Leite, Bruno S. (2017). Ensino híbrido utilizando a Rede Social Edmodo: um estudo exploratório sobre as potencialidades educacionais para o Ensino de Química. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 10(3), 206-230.

Leite, Bruno S. (2015) Tecnologias no ensino de química: teoria e prática na formação docente. Curitiba: Appris.

Lévy, Pierre. (2007). Inteligência coletiva. São Paulo: Edições Loyola.

Machado, Joicemegue R., Tijiboy, Ana V. (2005). Redes Sociais Virtuais: um espaço para efetivação da aprendizagem cooperativa. Revista Novas Tecnologias na Educação, 3(1), 1-9.

Marteleto, Regina M. (2001). Análise de Redes Sociais - aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da informação, 30, 71-81.

Mendonça, Alzino F. (2007). Docência Online: a virtualização do ensino. Recuperado em 19 de janeiro de, 2016, de http://www.abed.org.br/congresso2007/tc/552007112719PM.pdf.

Moran, José M. (2016). Os Novos Espaços de Atuação do Professor com as Tecnologias. Recuperado em 20 de janeiro de, 2016, de http://www.ufrgs.br/nucleoead/documentos/moranOsnovos.htm.

Moreira, Michele L., Simões, Andenson S. M. (2017). O uso do WhatsApp como ferramenta pedagógica no ensino de química. ACTIO: Docência em Ciência, 2(3), 21-43.

Neves, Carmen M. C. (2009). Educar com TICs: o caminho entre a excepcionalidade e a invisibilidade. Boletim Técnico Do Senac, 35(3), 16-27.

Nogueira, Wannderson E. O., Lucena, Emerson F. L., Blaha, Carlos A. G., Gomes, Felipe E. E. S. (2014). Utilização do Fórum virtual e WhatsApp como estratégia complementar na ensinagem de genética e Biologia celular e molecular no DBG/CB-UFRN. In: Encontro Nacional das Licenciatura, 5., 2014, Natal. Anais Enalic. Natal: Edufrn.

Oliveira, Nayara L., Barbosa, Ana C. R. (2017). Ensino de Química: afinidade, importância e dificuldades dos estudantes no ensino médio. In: Congresso Nacional de Pesquisa e Ensino em Ciências, 1., 2017, Campina Grande. Anais da Conapesc. Campina Grande: Realize Eventos. p. 1-6.

Paczkowsky, Ingrid M., Passos, Camila G. (2019). Whatsapp: uma ferramenta pedagógica para o ensino de Química. Revista Novas Tecnologias na Educação, 17(1), 316-325.

Patrício, Maria R., Gonçalves, Vítor. (2010). Facebook: rede social educativa. In.; I Encontro Internacional TIC e Educação. Lisboa: Universidade de Lisboa, Instituto de Educação. p. 593-598.

Pereira, Jocimario A., Silva Junior, Jairo F., Silva, Everton V. (2019). Instagram como Ferramenta de Aprendizagem Colaborativa Aplicada ao Ensino de Química. Revista Debates em Ensino de Química, 5(1), 119-131.

Raad, Ingrid L. F. (2016). As ideias de Vigotski e o contexto escolar. Revista Psicopedagogia, 33(100), 98-102.

Resende, André. (2018). Técnica de pesquisa exploratória da autoproéxis. Proexologia, 4(4), 87-96.

Santos, Debora; Borghi, Guilherme V., Leite, Sidnei Q. M. (2012). Investigação da aula de química na rede pública do Espírito Santo: o olhar do aluno do ensino médio. In: Anais XVI ENEQ/X EDUQUI, v. 1, n. 1.

Serrano, Daniel P. (2010). Geração Y. Recuperado em 16 de janeiro de, 2018, de http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos3/Geracao_Y.htm.

Soeiro, Wagner. (2015). Veja como o WhatsApp® pode ser utilizado na sala de aula. Recuperado em 01 de janeiro de, 2018, de https://www.institutoclaro.org.br/em-pauta/professor-utiliza-WhatsApp®-como-ferramenta-educativa/.

Toledo, Priscilla B. F., Albuquerque, Rosa A. F., Magalhães, Àvilo R. (2012). O Comportamento da Geração Z e a Influencia nas Atitudes dos Professores. In: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, 9., 2012, São Gonsalo. Aedb. Resende: Seget. p. 1-16.

Unesco. (2016). TIC na educação do Brasil. Recuperado em 15 de janeiro, 2019, de http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/communication-and-information/access-to-knowledge/ict-in-education/.

Velho, Léa., León, Elena. (1998). A construção social da produção científica por mulheres. cadernos pagu, 10, 309-344.

Downloads

Publicado

2021-08-07

Como Citar

Pereira, J. A., da Silva Junior, J. F., & Leite, B. S. (2021). O uso do WhatsApp® na educação: análise do aplicativo no ensino de Química. Revista Debates Em Ensino De Química, 7(1), 262–280. Recuperado de http://www.journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/3040

Edição

Seção

Debates em Ensino e Aprendizagem da Química