Educação especial e ensino de Química: a inclusão escolar de estudantes com transtornos globais do desenvolvimento na Educação Básica

Autores

  • Natalia Neves Macedo Deimling Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Pamela Lenara Machado Torres

Palavras-chave:

Ensino de Química, Inclusão Escolar, Transtorno Global do Desenvolvimento

Resumo

Neste artigo temos por objetivo analisar como tem se dado o processo de inclusão de alunos com TGD na escola e, mais especificamente, no âmbito do processo de ensino-aprendizagem de Química no ensino médio regular, tanto na perspectiva dos alunos quanto dos professores de Química das salas regulares e do professor da sala de recursos multifuncionais. Trata-se dos resultados de um estudo de caso de abordagem qualitativa desenvolvido com oito estudantes com TGD, quatro professores de Química da sala de ensino regular e um professor de Educação Especial da sala de recursos multifuncionais de uma escola pública da rede estadual de ensino localizada na região sul do Brasil. Para a coleta dos dados foram utilizados questionários e entrevistas semiestruturados e para a análise dos dados foram adotadas as técnicas de triangulação e categorização. Entre outros aspectos, este artigo mostra as dificuldades dos professores em desenvolver ações didático-pedagógicas que atendam às necessidades de todos os estudantes e, em especial, dos alunos com TGD. Alguns deles indicaram utilizar diferentes meios e recursos pedagógicos, os quais nem sempre contribuem para o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem por não atenderem as especificidades dos estudantes, prejudicando, assim, o alcance dos objetivos educacionais. A falta de integração entre o professor da sala de recursos multifuncionais e os professores de Química da sala de ensino regular também foi evidenciada. Consideramos que, para que haja uma efetiva inclusão escolar, são necessárias condições que garantam a socialização da cultura a todos, indistintamente. Tais condições referem-se a políticas mais amplas que indiquem não apenas os caminhos, mas, igualmente, os meios para que os objetivos educacionais sejam alcançados.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Franciele. (2012). A importância das aulas práticas de ciências para alunos com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. 96 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) - Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande.

ALVES, Denise de Oliveira. (2008). Os desafios para a Política e a Pesquisa em Educação Especial no Brasil. ln: MENDES, E.G.; ALMEIDA, M.A.HAYASHI, M,C,P. (Orgs.). Temas em Educação Especial: conhecimentos para fundamentar a prática. Araraquara: Junqueira&Marin, p. 48 - 55.

ARAGÃO, Amanda Silva. (2012). Ensino de Química para alunos cegos: desafio no ensino médio. 2012.116 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial), Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Bastos, Angélica Santana. (2014). A educação Química inclusiva na concepção de professores de química de Anápolis. 2014. 53f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Química) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Anápolis.

Bertuol, Claci de Lima. (2012). Salas de recursos e salas de recursos multifuncionais: apoios especializados à inclusão escolar de alunos com deficiência/necessidades educacionais especiais no município de Cascavel-PR. Monografia (Especialização em História da Educação Brasileira) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Cascavel: UNIOESTE.

Brasil. (2015). Lei 13.146 de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da pessoa com deficiência. Publicado no Diário Oficial da União em 07/07/2015.

Brasil. (2015). Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares para a formação inicial de professores em nível superior e para formação continuada. Brasília, DF.

Brasil. (1996). Lei n 9394/96, de 20 de dezembro de 1996.Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF.

Brasil. (2008). Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF.

Brasil. (2021). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Básica / 2020. Resumo Técnico. Diretoria de Estatísticas Educacionais (DEED). Brasília, DF.

Bueno, José Geraldo Silveira. (2008). A produção acadêmica sobre inclusão escolar e educação inclusiva. ln: Mendes, E.G.; Almeida, M.A. & Hayashi, M. C,P. (Orgs.). Temas em Educação Especial: conhecimentos para fundamentar a prática. Araraquara: Junqueira&Marin, p.31-47.

Carneiro, Maria Sylvia Cardoso. (2008). Adultos com Síndrome de Down. A deficiência mental como produção social. Campinas, SP: Papirus.

Costa, Vanderlei Balbino. (2012). Olhares docentes sobre a inclusão escolar dos estudantes com deficiência na escola comum. 2012, 202 f. Tese de Doutorado (Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos.

Costa, Vanderlei Balbino. (2010). Panorama nacional sobre as pessoas com deficiências: desafios e perspectivas. ln: Mendes, E.G.; Almeida, M.A. Das Margens ao centro: perspectivas para as políticas e práticas educacionais no contexto da educação especial inclusiva. Araraquara: Junqueira&Marin, p.99 - 110.

Deimling, Natalia Neves Macedo & Moscardini, Saulo Fantato. (2012). Inclusão escolar: política, marcos fflstóricos, avanços e desafios. Política e Gestão Educacional (Online), v. 12, p. 03-29.

Field's, Karla Amâncio Pinto. (2014). Saberes profissionais para o exercício da docência em Química voltado à educação inclusiva. Tese (Doutorado em educação), Universidade Federal de Goiás.

Fumegalli, Rita de Cássia. (2012). A inclusão escolar: o desafio de uma educação para todos. 2012, 50f. Monografia (Em Educação Especial: Deficiência Mental e Transtornos E Dificuldades de Aprendizagem) - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí.

Leal, Juliana Dutra de Carvalho. (2014). AEE e o ensino de química e ciências: qual atendimento tem sido ofertado aos alunos público alvo da educação especial? (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal do Espírito Santo, ALEGRE, 2014.

Luckesi, Cipriano Carlos. (2006). Avaliação da aprendizagem escolar. 18ª Ed. São Paulo: Cortez.

Lüdke, Menga & André, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. (2014). Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. 2.ed. Rio de Janeiro: E.P.U.

Macedo, Natalia Neves. (2010). Formação de professores para a educação inclusiva nos cursos de pedagogias das universidades públicas paulistas. 2010. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial), Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Mazzotta, Marcos José da Silveira. (2008). Desafios para a política e a pesquisa em educação especial no Brasil. ln: Mendes, E.G.; Almeida, M.A & Hayashi, M. C. P. (Orgs.). Temas em Educação Especial: conhecimentos para fundamentar a prática. Araraquara: Junqueira&Marin, p. 79 - 87.

Melo, Erika Soares de. (2013). Ações colaborativas em contexto escolar: desafios e possibilidades do ensino de química para alunos com deficiência visual. Dissertação (mestrado em Educação Especial). 69 f. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP.

Mendes, Enicéia Gonçalves. (2008). Caminhos da pesquisa sobre formação de professores para a inclusão escolar. ln: Mendes, E.G.; Aalmeida, M. A. & Hayashi, M. C. P. (Orgs.). Temas em Educação Especial: conhecimentos para fundamentar a prática. Araraquara: Junqueira&Marin, p.92- 122.

Najle, Carolina Paz Munoz & Fiamenghi Jr., Geraldo A. (2007). Relação professores-alunos com dificuldades de aprendizagem e comportamento: História de Mudanças. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v.7, n.1, p.97-111.

Oliveira, Anna Augusta Sampaio. (2010). Inclusão escolar e formação de professores: o embate entre o geral e o específico. Panorama nacional sobre as pessoas com deficiências: desafios e perspectivas. ln: Mendes, E. G. & Almeida, M. A. Das Margens ao centro: perspectivas para as políticas e práticas educacionais no contexto da educação especial inclusiva. Araraquara: Junqueira&Marin, p.141-150.

Oliveira, Julieta Saldanha de; Fenner, Herton; Appelt, Helmoz Roseniaim & Pizon, Chausa dos Santos. (2013). Ensino de Química inclusivo: tabela periódica adaptada a deficientes visuais. Experiências em ensino de química v. 8, n. 2, p.28-36.

Pacheco, Jose. (2007). Caminhos para inclusão. Porto Alegre: ArtMed.

Paraná. (2008). Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED). Diretrizes Curriculares da Educação Básica Química. Curitiba, Paraná.

Paro, Vitor Henrique. (2016). Administração Escolar: Introdução Crítica. São Paulo: Cortez, 17. ed.

Rego, Teresa Cristina. (2001). Vygotsky - uma perspectiva histórico-cultural da educação. 12. ed. Petrópolis: Vozes.

Rocha, Joselayne Silva & Vasconcelos, Tatiana Cristina. (2016). Dificuldades de aprendizagem no ensino de química: algumas reflexões. Anais do XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química. Florianópolis p. 1-10.

Rosa, Denise Ferreira. (2016). Produção do sujeito deficiente no contorno das políticas de educação inclusiva e da formação de professores em Educação Especial. 2016. 103 f. Dissertação (Mestre em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria.

Ruiz, Diego Fernando Rosero. (2015). A inclusão de estudantes com deficiência intelectual na educação básica primária da Colômbia: políticas públicas e práticas pedagógicas. 2015. 224 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós- Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista, Júlio de Mesquita Filho, UNESP.

Sartoretto, Mara Lucia. (2010). Como avaliar o aluno com deficiência? São Paulo: Assistiva. Tecnologia e Educação. Disponível em <http://assistiva.com.br/como_avaliar_o_aluno_com_deficiencia.pdf>. Acesso em 22/07/2017.

Vigotski. Lev Semyonovich. (2007). A formação social da mente. 7ª edição. São Paulo: Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2021-08-07

Como Citar

Neves Macedo Deimling, N., & Machado Torres, P. L. (2021). Educação especial e ensino de Química: a inclusão escolar de estudantes com transtornos globais do desenvolvimento na Educação Básica. Revista Debates Em Ensino De Química, 7(1), 66–90. Recuperado de http://www.journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/4001

Edição

Seção

Debates em Direitos Humanos, Culturas e Justiça Social no Ensino de Química