Infância, violência na escola: diálogos e contextos

Hugo Monteiro Ferreira, Maria Angélica de Deus Xavier Neves

Resumo


Este artigo apresenta análises de dados da pesquisa de graduação intitula- da Violência na Escola: Diálogo e Contextos (/2012/2016). O objetivo geral e os objetivos especícos relacionam-se com o seguinte problema: É pos- sível por meio do diálogo e da contextualização identitária, minimizar ou mesmo erradicar a violência na escola praticadas entre/contra crianças e/ ou adolescentes? Metodologicamente, a investigação se fundamentou em duas modalidades de pesquisa teórica e empírica. aplicou abordagem qua- litativa, tendo como métodos procedimentos etnográcos e utilizado-se de técnicas de coleta de dados como entrevista semiestruturada e obser- vação participante. Os aportes teóricos que sustentaram esse estudo es- tão amparados em Abramovay (2002); Freire (1975); Gomes (2007); Galvão (2008; 2010); 2003); Njaine e Minayo (2003); Noleto (2001) e Michaliszyn (2011). A violência na escola, segundo dados que coletamos, tem origem na violência social como um todo e a escola, em razão de sua condição social e histórica, torna-se por isso mesma também violenta. Nossa intenção, to- davia, foi demonstrar de que modo essa violência poderá ser minimizada e/ou erradicada. 


Palavras-chave


Violência Escolar; Diálogo; Contextualização; Docência

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças. Violência nas Escolas. Rio de Janeiro,

UNESCO, 2002.

ANDRÉ, Marli E. D. A. Etnogra a da prática escolar. Campinas, Papirus, 2010.

AQUINO, J.G. Confrontos na sala de aula: Uma leitura institucional da relação professor-aluno. São Paulo: Summus, 1996.

CABALLERO, A. “Transformar los con ictos: una apuesta”. Tarbiya: Revista de Investigación e Innovación Educativa, Madrid, n. 25, p. 95-106, 2000.

CHAUÍ, Marilena. “Senso Comum e Transparência”. O Preconceito. São Paulo, Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania/Imprensa O cial, 1996/1997.

COLOMBIER, Claire. A violência na Escola. [Tradução de Roseana Kligerman Murrayl], São Paulo. Summus, 1989.

FANTE, Cleo. Fenômeno Bullying: como prevenir a violência nas escolas e edu- car para a paz. São Paulo, Record, 2013.

FERREIRA, Hugo Monteiro. A literatura na sala de aula: uma alternativa de ensino transdisciplinar. 2007. 377f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal

__________. “O sofá estampado: a vez e a voz da infância, questões de direitos humanos”. Concerto à Lygia Bojunga. Rio de Janeiro, Cátedra UNESCO de Leitura, 2012.

________. A educação integral e a transdisciplinaridade. Recife, MXM, 2016.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio: Paz e Terra, 1975.

GOMES, C. A. (Org.). “Abrindo espaços: múltiplos olhares”. In A violência a Escola e você. Planeta Sustentável. São Paulo, 2007. (Disponível em planetasustentavel. abril.com.br/noticia/educacao/conteudo_246452.shtml) Consultado em maio de 2016.

GALVÃO, Afonso et.al. Violências Escolares: implicações para a gestão e o cur- rículo. Rio de Janeiro, EDUC, 2010.

GONÇALVES, L.A ; SPOSITO,M.P. (2002). “Iniciativas públicas de redução da violên- cia escolar no Brasil”. Cadernos de Pesquisa,115, 101-138.

__________. A. C. T. “As escolas inovadoras: Distrito Federal”. In: GOMES, C. A. (Org.). Abrindo espaços: múltiplos olhares. Brasília, DF: UNESCO, Fundação Vale, 2008.

NJAINE, K.; MINAYO, M. C. S. Violência na escola: identi cando pistas para a pre- venção. Interface: Comunicação, Saúde, Educação. Botucatu, SP, v. 7, n. 13, p. 119-134, ago. 2003.

NOLETO, M. J. (Coord.). Abrindo espaços: educação e cultura para a paz. Brasília, DF: UNESCO, 2001.

MICHALISZYN, Mario Sergio. Pesquisa. Orientações e normas para elaboração de projetos, monogra as e artigos cientí cos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

RICARDO, E. C. “As Ciências no Ensino Médio e os Parâmetros Curriculares Nacionais: da proposta à prática.” Ensaio – avaliação e políticas públicas em educação. Rio de Janeiro, v.10, n.35, p.141-160, abr/jun. 2001.

SPOSITO, Marília Pontes. “A instituição escolar e a violência”. In Cadernos de Pesquisa Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, Brasil, n. 17, p. 58-78, 2002.

ZABALA, A. La Práctica Educativa: cómo enseñar. Las secuencias didácticas y las secuencias de contenido. Barcelona (España): Coleccción El Lápiz, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons