Solid waste disposed in the surrounding of Caetés Ecological Station - PE: opportunity of environmental education

Adriana Aparecida Megumi Nishiwaki, Sara Maria Gomes Pinheiro, Tássia Camila Gonçalves dos Santos, Luciana de Omena Gusmão, Eduardo Cabral da Silva

Resumo


Several human activities have affected the integrity and balance of conservation unit, compromising the efficiency of the preservation of biodiversity, natural resources and cultural. This work aims to study the solid waste irregular disposition in the surrounding of Caetés Ecological Station (PE) and the impacts on site, as well as presenting a proposal of environmental education program involving the local community. The problem has been identified through visiting areas, resulting in primary data, which were crossed with secondary data about solid waste and its negative effects, as well as on environmental education in communities. The environmental education program developed consists in lectures, dynamics, workshops, partnerships with local schools and training. The community mobilization expected in the program will rescue of the history of the Caetés Ecological Station.


Palavras-chave


Conservation unit, Environmental impacts, Environmental education

Texto completo:

PDF

Referências


ABRELPE - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. São Paulo, 2013. Disponível em: < http://www.abrelpe.org.br>. Acesso em: 3 set. 2014.

AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS. Plano de Manejo Fase I - Estação Ecológica de Caetés. Recife, 2006. 63p.

AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS. Plano de Manejo da Estação Ecológica de Caetés e criação do conselho gestor consultivo. Diagnóstico socioeconômico e ambiental. Recife, v. 1, 2012. 153p.

ALHO, C. J. R. Importância da biodiversidade para a saúde humana: uma perspectiva ecológica. Estudos avançados, São Paulo, v. 26, n. 74, p. 151-165, 2012

BAEDER, A. M. Educação ambiental e mobilização social: formação de catadores na grande São Paulo. 2009, 238f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

BATARCE, A. P. A. Evolução das unidades de conservação no contexto nacional. In: ENCONTRO NACIONAL DOS GEÓGRAFOS – ENG, 16., 2010, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Associação dos Geógrafos Brasileiros, 2010.

BRASIL. Lei n° 6.902 de 27 de abril de 1981. Dispõe sobre a criação de Estações Ecológicas, Áreas de Proteção Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 abr. 1981.Seção 1, p. 7557.

______. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 13, de 6 de dezembro de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 dez. 1990.

______. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 428, de 17 de dezembro de 2010. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 dez. 2010b.

______. Decreto nº 99.274, de 6 de junho de 1990. Regulamenta a Lei nº 6.902, de 27 de abril de 1981, e a Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõem, respectivamente sobre a criação de Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental e sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 7 jun. 1990. Seção 1, p. 10887.

______. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 3 ago. 2010a. Seção 1, p. 3.

______. Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 abr. 1999. Seção 1, p. 1.

______. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 19 jul. 2000. Seção 1, p. 1.

______. Ministério do Meio Ambiente. Unidades de conservação: conservando a vida, os bens e os serviços ambientais. São Paulo, 2008.

CERATI, T. M. et al. Gestão participativa em uma unidade de conservação urbana: a busca de estratégias para conservar o Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, Brasil. Revista Interfacehs, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 3-19, abr. 2011.

DEUS, A. B. S.; LUCA, S. J; CLARKE, R. T. Índice de impacto dos resíduos sólidos urbanos na saúde pública (IIRSP): metodologia e aplicação. Engenharia Sanitária Ambiental, Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, p. 329-334, 2004

ELALI, G. A. O ambiente da escola - o ambiente na escola: uma discussão sobre a relação escola–natureza em educação infantil. Estud. Psicol., Natal, v. 8, n. 2, p. 309-319, 2003.

FERREIRA, J. E; PEREIRA, S. G; BORGES, D. C. S. A importância da educação ambiental no ensino fundamental. Revista Brasileira de Educação e Cultura. n.7, p. 104-119, 2013

GANEM, R. S. Zonas de amortecimento de unidades de conservação. Brasília: Câmara dos Deputados, Consultoria Legislativa, 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2015.

GANEM, R. S.; DRUMMOND, J. A. Biologia da conservação: as bases científicas da proteção da biodiversidade. In: GANEM, R. S. Conservação da biodiversidade: legislação e políticas públicas. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2011. p. 437.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva. v.17, n.6, p. 1503-1510, 2012.

HOSAKA, A. M. S. Unidades de conservação: Aspectos históricos e conceituais. In: PHILIPPI JR, A.; RUSCHMANN, D. V. M (Ed.). Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo. Barueri: Manole, 2010. v. 9, p. 275-80.

IBAMA. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2014.

ICMBIO, 2014. INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Lixo na natureza ameaça a fauna, a flora e os humanos. Brasília, 11 ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

ICMBIO, 2011. INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Plano de ação nacional para conservação dos primatas do Nordeste. Disponível em: . Acesso em: 8 jun. 2015.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 189-205, mar. 2003.

LEITE, R.N.; BONGIOVANNI, S. Aterro sanitário em zona de amortecimento. Rev. Inst. Flor. v. 26 n. 2 p. 147-159, dez. 2014.

LIRA, E. B. S. et al. Soil Pollution of urban origin: environmental management of solid waste in the municipalities of Pernambuco Center Agreste. Revista Geama, v. 8, n. 1, p. 10-16. 2017.

LOUREIRO, C. F. B. Crítica ao fetichismo da individualidade e aos dualismos na educação ambiental. Educar, Curitiba, n. 27, p. 37-53, 2006.

MARQUES, R. F. DE P. V. et al. Impactos da disposição de resíduos sólidos urbanos na qualidade da água superficial em três municípios de Minas Gerais - Brasil. Ciência e Agrotecnologia, v. 36, n. 6, p. 684–692, 2012.

MOREIRA, V. B. et al. Os parques urbanos de Uberlândia – MG: levantamento e caracterização destes espaços a partir da visão de seus usuários. Observatorium: Revista Eletrônica de Geografia, Uberlândia, v. 3, n. 8, p. 02-26, dez, 2011.

NASCIMENTO, M. L. S. et al. De catador de lixo a agente ambiental: educação ambiental na qualidade de vida. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 581-587, out./dez. 2006.

NISHIWAKI, A. A. M; PINHEIRO, S, M, G; SILVA, V, P da. Percepção da comunidade adjacente à Estação Ecológica Caetés sobre a disposição de resíduos sólidos no entorno In: EL-DEIR, S, G.; AGUIAR, W, J de; PINHEIRO, S, M, G. (Org.). Educação ambiental na gestão de resíduos sólidos. Recife: EDUFRPE, 2016. p.106 -120.

OLIVA JÚNIOR, E. F.; FREIRE, R, S. Os impactos ambientais decorrentes da produção de resíduos sólidos urbanos e seus riscos a saúde humana. Revista Eletrônica da Faculdade José Augusto Vieira, n. 8, p. 158-171, 2014.

OLIVEIRA, M. S. et al. A importância da educação ambiental na escola e a reciclagem do lixo orgânico. Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da Eduvale, Jaciara, n. 7, p. 1-20, nov. 2012.

PENELUC, M. C.; SILVA, S. A. H. Educação ambiental aplicada à gestão de resíduos sólidos: análise física e das representações sociais. Rev. Faced, Salvador, n.14, p.135-165, jul./dez. 2008.

PINHEIRO, S. M. G et al. Implementation of environmental management tools to support the management of solid waste in the municipality of Rio Tinto/PB. Revista Geama, v. 6, n.1, p. 160-169. 2016.

RYLANDS, A. B.; BRANDON, K. Unidades de conservação brasileiras. Megadiversidade, Belo Horizonte, v. 1, n.1, p. 27-35, 2005.

SANTOS, H. M. N.; FEHR, M. Educação ambiental por meio da compostagem de resíduos sólidos orgânicos em escolas públicas de Araguari-MG. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 8, n. 24, p. 163-183, dez. 2007.

SOARES, L. G. C.; SALGUEIRO, A. A.; GAZINEU, M. H. P. Educação ambiental aplicada aos resíduos sólidos na cidade de Olinda, Pernambuco – um estudo de caso. Revista Ciências & Tecnologia, Recife, n. 1, p. 1-9, 2007.

SOUZA, A. S.; MEGNA FRANCISCO, P. R.; MELO, J. A. B. Estudo do impacto socioambiental na unidade de conservação Parque do Poeta. Revista Polêmica. v. 13, n.1, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Geama

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.