Avaliação do Potencial de Conservação de Nascentes na Zona da Mata Pernambucana | Evaluation of the Conservation Potential of Springs in the Zona da Mata Pernambucana

Lívia Câmara Machado, Vanice Santiago Fragoso Selva

Resumo


As nascentes são importantes fontes de água para a realização das atividades e sobrevivência de agricultores familiares nos espaços rurais. Devido a isso, estas fontes possuem relevância para o desenvolvimento e dinâmica de áreas de produção agrícola e para o consumo humano. Em decorrência dos problemas vivenciados pelos usos e apropriações inadequadas de áreas de nascentes, impactos negativos são visíveis e dificultam a conservação destas fontes que são importantes formas de acesso à água no meio rural. A realidade aponta alguns conflitos para a conservação de nascentes, que vai desde a forma de uso e ocupação do território até as práticas realizadas pelos usuários. O estudo propõe indicar o potencial de conservação de nascentes utilizadas para o abastecimento humano, a partir da ferramenta metodológica interdisciplinar para avaliação do potencial de conservação de nascentes no Assentamento Caricé, em Vitória de Santo Antão, Pernambuco. As técnicas adotadas no estudo foram de documentação indireta, (pesquisa documental e bibliográfica); e de documentação direta (pesquisa de campo, pesquisa de laboratório, observação assistemática, entrevistas estruturadas e roteiro de campo). Os parâmetros de análise das nascentes foram agrupados em três eixos distintos, o ecológico, o socioterritorial e o político, conforme prevê a metodologia interdisciplinar para avaliação do potencial de conservação das nascentes. De acordo com a ferramenta metodológica interdisciplinar, a maioria das nascentes do Assentamento Caricé, localizado no município de Vitória de Santo Antão em Pernambuco se encontram com o potencial de conservação no nível intermediário. As análises realizadas para o eixo político neste trabalho confirmam a realidade no meio rural, que não dispõe de assistência técnica, apoio e iniciativas para conservar os recursos naturais.


Palavras-chave


conservação de nascentes, recuperação de nascentes, metodologia interdisciplinar

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA (APAC). Bacia do rio Capibaribe. Disponível em: < http://www.apac.pe.gov.br/pagina.php?page_id=5&subpage_id=14 >. Acesso em: 26 ago. 2017.

_______.Boletim do Clima – Síntese Climática. v. 4, n. 10. Out. 2016 . Disponível em: < http://www.apac.pe.gov.br/arquivos_portal/boletins/Boletim%20climatico%20-%20Outubro.pdf >. Acesso em: 21 set. 2017.

ARAÚJO, N. C. F. de. Conflitos ambientais tendo como objeto o uso da água de reservatório público. 139f. 2012. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente). Universidade Federal de Pernambuco: Recife. 2012.

BARRETO, S. R.; RIBEIRO, S. A.; BORBA, M. P (Coord.). Nascentes do Brasil: estratégias para a proteção de cabeceiras em bacias hidrográficas. 1 ed. São Paulo: WWF – BRASIL, 2010.

BRAGA, R. A. P. As Nascentes como Fonte de Abastecimento de Populações Rurais Difusas. Revista Brasileira de Geografia Física. Recife. Dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 mai. 2016.

BRAGA, R. A. P.; SILVA, C. E. M.; CAVALCANTI, C. A. V (Orgs.). Guia para adequação ambiental em assentamentos rurais: a partir da experiência em assentamentos rurais da zona da mata de Pernambuco. 1 ed. Recife: ANE, 2013. 123p.

CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=299>. Acesso em: 03 set. 2016.

_________. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos d´água e diretrizes ambientais para o seu encaminhamento, bem como estabelece padrões de lançamento de efluentes. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2016.

_________.Resolução n° 274, de 29 de Novembro de 2000. Dispõe sobre as condições de balneabilidade. Disponivel em: . Acesso em: 03 set. 2016.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Carta de Suscetibilidade a Movimentos Gravitacionais de Massa e Inundação. Município de Vitória de Santo Antão – PE. Brasília, 2014.

_________. Serviço Geológico do Brasil. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. Diagnóstico do Município de Vitória de Santo Antão, estado de Pernambuco. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2012.

DAVIS, et al. Springs: Conserving perennial water is critical in arid landscapes. Biological Conservation. 2016. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2016.12.036>. Acesso em: 26 set. 2017.

FELIPPE, M. F., MAGALHÃES JUNIOR, A. P. Impactos ambientais macroscópicos e qualidade das águas em nascentes de parques municipais em Belo Horizonte - MG. Geografias. Belo Horizonte jul/dez. 2012. Disponível em: < http://www.igc.ufmg.br/portaldeperiodicos/index.php/geografias/article/view/568/438>. Acesso em: 29 set. 2017.

GUSMÃO, P. T. R. et al. Qualidade da água em nascentes do Rio Natuba – PE. In: Simpósio

Brasileiro de Recursos Hídricos, XIX. 2011, Maceió. Anais... Maceió: ABRH, 2011.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 7 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

MACHADO, L. C. O Papel das Nascentes na Sustentabilidade de Assentamentos Rurais. 2013. 126f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente). Universidade Federal de Pernambuco: Recife. 2013.

MENDONÇA, M. G. Políticas e condições ambientais de Uberlândia – MG, no contexto estadual e federal. 2000. Universidade Federal de Uberlândia: Uberlândia. 2000.

MS. Ministério da Saúde. Portaria n° 2914: procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília. 2011.

OLIVEIRA, C. R. de. Qualidade da água e conservação de nascentes em assentamento rural na mata pernambucana. 2014. 141 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2014.

OLIVEIRA, D.G. et al. Análise da vegetação em nascentes da Bacia Hidrográfica do Rio Piauitinga, Salgado, SE. Revista Árvore. Viçosa-MG. 2012. v.36. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rarv/v36n1/a14v36n1.pdf>. Acesso: 02 out. 2017.

PEREIRA, L. C. Uso e conservação de nascentes em assentamentos rurais. 2012. 166 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Pernambuco: Recife. 2012.

PERNAMBUCO. Atlas de bacias hidrográficas de Pernambuco. Recife: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, 2006.

PINTO, L. V. A., et. al. Avaliação qualitativa da água de nascentes com diferentes usos dos solos em seu entorno. Cerne. jul./set. 2012. Lavras – MG. v. 18. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cerne/v18n3/a18v18n3.pdf >. Acesso em: 02 out. 2017.

RIBEIRO, A. S. Estado de conservação das nascentes do alto trecho do Rio Pajeú, Pernambuco, Brasil. 2014. 202 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2014.

SILVA, C. E. M., BRAGA, R. A. P. Conservação de nascentes na adequação ambiental de assentamentos rurais. Anais do XX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. ABRH, Fortaleza, 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Geama

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.