Beneficiamento do cultivo do Meloeiro pela apicultura no sertão do Moxotó representado por Modelo Digital do Terreno | Processing of Melon crops for beekeeping in the backwoods of Moxotó represented by Digital Terrain Model

Raphael Miller de Souza Caldas, José Machado, Júlio da Silva Correa de O. Andrade, Ricardo Andrade Wanderley

Resumo


A região Nordeste é a principal produtora de melão do Brasil. O Semiárido brasileiro é uma região caracterizada por apresentar fatores climáticos favoráveis ao desenvolvimento da cultura do meloeiro. No presente estudo foi realizada a modelagem digital do terreno (MDT) da microrregião Sertão do Moxotó para os parâmetros de precipitação, temperatura, PIB e IDH, afim de verificar a relação entre a cultura do meloeiro e a apicultura. Os municípios analisados foram Arcoverde, Betânia, Custódia, Ibimirim, Inajá, Sertânia e Manari. O cultivo do meloeiro tem potencial para ser implantado nos municípios do Sertão do Moxotó e está diretamente ligado a apicultura, pois a Apis mellifera é seu principal polinizador. Seu cultivo pode desempenhar papel vital no aumento ou manutenção da produção apícola.

The Northeast region is the main melon producer of Brazil. The Brazilian semiarid region is characterized by climatic conditions favorable to the development of melon crop. In the present study, the digital terrain modeling (DTM) of Sertão do Moxotó was performed to precipitation parameters, temperature, GDP, HDI and population in order to verifythe relationship between melon crop and apiculture. The districts analyzed were Arcoverde, Betânia, Custódia, Ibimirim, Inajá, Sertânia and Manari. Apis mellifera is the main pollinator of melon crop. Melon crop can support the bees during the shortage of bee flora and increase in bee production.


Palavras-chave


cultura do melão, Sertão do Moxotó, produção apícola, melon, bee production

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMAS – APAC. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2015.

AYERS RS; WESTCOT DW. 1999. Qualidade de água na agricultura. Campina Grande: UFPB. 218p. (FAO. Estudos de Irrigação e Drenagem, 29).

COELHO JUNIOR, J. M. ; ROLIM NETO, F. C. ; ANDRADE, J. S. C. O. . Topografia Geral. 1. ed. Recife: UFRPE, 2014. 97p

CRISÓSTOMO L. A. et al. Adubação, irrigação, híbridos e práticas culturais para o meloeiro no Nordeste. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical. 2002. 21p. (Circular Técnica 14).

CUENCA, R. H. Irrigation system design: an engineering approach. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1989. 552p.

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS – DCA. Disponível em: < http://www.dca.ufcg.edu.br/clima/chuvape.htm>. Acesso em 18 de julho de 2015.

DANTAS, Ana Carolina de Assis et al. Caracterização molecular de acessos de melão coletados no nordeste brasileiro. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal , v. 34, n. 1, p. 183-189, Mar. 2012 .

EMBRAPA SEMIÁRIDO – Sistemas de Produção, 5 ISSN 1807-0027 Versão Eletrônica Ago/2010. Disponível em: Acesso em 25 de Julho 2015.

FERRAZ, L. G. B. et al. Árvore do Conhecimento - Apicultura. AGEITEC - Agência Embrapa de Informação tecnológica. Disponível em: . Acesso em: 25 de Julho 2015.

FAO. Agricultural production, primary crops. Disponível em: . Acesso em 18 de julho de 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA – IBGE. Informações sobre os municípios de Arcoverde, Betânia, Custódia, Ibimirim, Inajá, Manari e Sertânia. IBGE - @cidades, 2014. Disponível em: Acesso em 18 de julho de 2015

MEDEIROS, Damiana Cleuma de et al . Produção de melão Pele de Sapo híbrido 'Medellín' cultivado com diferentes salinidades da água. Rev. Ciênc. Agron., Fortaleza , v. 42, n. 3, p. 628-634, Sept. 2011 .

MAZUELA AGUILA, Pilar Carolina. Agricultura en zonas áridas y semiáridas. Idesia, Arica , v. 31, n. 2, p. 3-4, jun. 2013 .

NUNES, Glauber Henrique de Sousa et al . Estabilidade fenotípica de híbridos de melão amarelo avaliados no Pólo Agrícola Mossoró-Assu. Pesq. agropec. bras., Brasília , v. 41, n. 9, p. 1369-1376, Sept. 2006.

NUNES, Glauber Henrique de Sousa et al . Influência de variáveis ambientais sobre a interação genótipos x ambientes em meloeiro. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal , v. 33, n. 4, p. 1194-1199, Dec. 2011 .

RIBEIRO, M. F. .Polinização do meloeiro. In: III Semana dos Polinizadores, 2010, Juazeiro. Anais da III Semana dos Polinizadores. Petrolina: Embrapa, 2010. Acesso em 18 de julho de 2015

SIQUEIRA, Kátia Maria Medeiros de et al. Comparação do padrão de floração e de visitação do meloeiro do tipo amarelo em Juazeiro-BA. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal, v.33, n. Spe1, p. 473-478, Out. 2001.

STAUB, J. E.; LOPEZ-SESÉ, A. I.; FANOURAKIS, N. Diversity among melon landraces (Cucumis melo L.) from Greece and their genetic relationships with other melon germplasm of diverse origins. Euphytica, Wageningen, v. 136, n.2, p. 151–166, 2004.

STAUB, J. E.; ROBBINS, M. D.; LÓPEZ-SESÉ, A. I. Molecular methodologies for improved genetic diversity assessment in cucumber and melon. In: J. D. Creight, ed., Proceedings XXVI IRC. Horticulture: Art and science for life- Advances in vegetable Breeding. Acta Horticulturae, Wageningen, n. 642, p.41-47, 2002.

SOUSA, R. M. Polinização do meloeiro (Cucumis melo L.) por abelhas melíferas (Apis mellifera L.): requerimentos da cultura e manejo das colônias. 2003. 119 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

SILVA, H.R. et al. Cultivo do meloeiro para o Norte de Minas Gerais. Brasília: Embrapa-SPI, 2000. 20p. (Embrapa Hortaliças. Circular Técnica, 20).

T. C. SALIN et al. Caracterização de sistemas agrícolas produtivos no semiárido brasileiro como bases para um planejamento agroflorestal Revista Caatinga, Mossoró, v. 25, n. 2, p. 109-118, mar.-jun., 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 REVISTA GEAMA