Modelos atômicos: correlações entre aspectos representacionais e a essência do conhecimento

Autores

  • Augusto César Lima Moreira Universidade Federal de Pernambuco
  • Djaneide Marinalva da Silva
  • Deivisson Silva Mota
  • Daniella Rodrigues de Farias

Palavras-chave:

essência do conhecimento, objeto modelo, modelo teórico

Resumo

O fenômeno do conhecimento, processo que envolve a interação entre sujeito e objeto, vem se tornando uma importante linha de investigação na área de ensino das ciências. Em química, a apreensão da realidade (um átomo ou uma molécula, por exemplo) em escala nanoscópica é, necessariamente, mediada por modelos teóricos idealizados, muitos dos quais possuindo entidades abstratas e não sensíveis à percepção humana. Com base neste fato, esta pesquisa teve como objetivo realizar uma análise do grau de realismo atribuído a essas entidades por parte de professores de química em atuação na educação básica. Sob essa perspectiva quinze professores de química, que atuam em salas de aula do Ensino Médio em escolas lotadas na Gerência Regional de Educação Metropolitana Sul, foram analisados de forma individual, por meio de questionários e entrevistas semiestruturadas. Tais levantamentos se deram em relação aos aspectos epistemológicos relativos à essência do conhecimento envolvendo modelos atômicos (Dalton, Bohr e Schrodinger) e ligações químicas entre dois átomos. Os resultados evidenciam que para um grupo não desprezível de professores, não há distinção entre modelos teóricos e realidade, o primeiro muitas vezes sendo considerado um análogo estrutural fiel ao objeto de estudo (átomos e moléculas). Tal fato permite inferir que, sem que haja uma mediação epistemológica entre teoria e realidade durante a formação docente, corre-se o risco de cairmos no realismo ingênuo frente às teorias o que pode gerar obstáculos epistemológicos na aprendizagem de temas correlatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Augusto César Lima Moreira, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Física pela UFPE e Mestre em Ensino de Ciências pela UFRPE.

Referências

Andretta, F. C. (2013). Currículo e conhecimento escolar: uma reflexão sobre algumas relações teóricas e práticas. Perspectiva, Erechim, v. 37, n. 140, p. 93-102. Disponível em: http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/140_376.pdf. Acesso em: 28 de dezembro de 2018.

Bachelard, G. (1996) A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BARROS, S. A. M. Obstáculos epistemológicos: o conceito de Quantização de energia nos livros didáticos de química do ensino médio. In: Encontro nacional do Ensino de Química, 15, 2010, Brasília. Resumos do XV Encontro nacional do Ensino de Química. Disponível em: http://www.sbq.org.br/eneq/xv/resumos/R1199-1.pdf. Acesso em: 30 de agosto de 2018.

BUNGE, M. Teoria e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 1974.

Campos, M. L. A. A organização de unidades de conhecimento: o modelo conceitual como espaço comunicacional para a realização da autoria. 2001. Tese (Doutorado em Comunicação) - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: https://ridi.ibict.br/handle/123456789/679. Acesso em 12 de novembro de 2018.

Corbin, J. M. & Straus, A. L. (2008) Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Bookman.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Editora Atlas.

HESSEN, J. (1999). Teoria do Conhecimento. 2. ed., São Paulo: Martins Fontes.

Jonhstone, A. H. (1982). Macro and micro-chemistry. The School Science Review. v. 64, n. 227, p.377-379. Disponível em: https://www.scienceopen.com/document?vid=ccda0dc2-9065-414c-826f-9e9538caeae9. Acesso em 30 de agosto de 2018.

Jonhstone, A. H. (1991). Why is science difficult to learn? Things are seldom what they seem. Journal of Computer Assisted Learning, v. 7, n. 2, p. 75-83. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1365-2729.1991.tb00230.x. Acesso em 25 de setembro de 2018.

Jonhstone, A. H. (2000). Teaching of chemistry: logical or psychological? Chemistry Education Reseach and Practice, v. 1, n. 1, p. 9-15. Disponível em: https://pubs.rsc.org/en/content/articlelanding/2000/rp/a9rp90001b#!divAbstract. Acesso em: 29 de outubro de 2018.

Justi, Rosália S. (2011). Modelos e modelagem no ensino de Química: Um olhar sobre aspectos essenciais pouco discutidos. In: Santos, Wildson & Maldaner, Otávio. Ensino de Química em Foco. Porto Alegre: UNIJUI, p. 209.

Kavalek, Débora Schmitt. Átomo, representação e filosofia da química: caminhos para a transição da linguagem diagramática para a discursiva em aulas da educação básica. 2016. Tese (Doutorado em Educação) - Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/148629 . Acesso em: 07 de setembro de 2018.

Lopes, Alice R. C. (2007). Currículo e epistemologia. Ijuí: Unijuí.

Locatelli, Solange W. Relação existente entre metavisualização e as representações simbólica e submicro na elaboração de atividade em química. 2016. Tese (Doutorado em Ciências) Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-28062016-095732/pt-br.php. Acesso em: 25 de novembro de 2018.

Malta, S. C. L. (2013) Uma abordagem sobre currículo e teorias afins visando à compreensão e mudança. Revista Espaço do currículo, v. 6, n. 2, p. 340- 354.

Miranda, F. A. & Araújo, S. C. M. Identificação de obstáculos epistemológicos presentes em alguns livros didáticos de química do ensino médio. In: Encontro Nacional de Ensino de Química, 16., 2012, Bahia. Anais do XVI Encontro Nacional de Ensino de Química (XVI ENEQ) e X Encontro de Educação Química da Bahia (X EDUQUI). Disponível em: http://www.eneq2012.qui.ufba.br/modulos/submissao/Upload/42451.pdf. Acesso em: 10 de agosto de 2018.

Mortimer, Eduardo F.; Machado Andrea H. & Romandelli, L. I. (2000). A proposta curricular de química do Estado de Minas Gerais: fundamentos e pressupostos. Química Nova, v. 23, n. 2, p. 273-283, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/qn/v23n2/2131.pdf. Acesso em: 12 de outubro de 2018.

Moreira, Marco A. & Massoni, N. T. (2011). Epistemologias do Século XX: Popper, Kuhn, Lakatos, Laudan, Bachelard, Toulmin, Feyerabend, Maturana, Prigogine, Mayer. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária..

Morais, Roque & Galiazzi, Maria C. (2007) Análise textual discursiva. Ijuí: Editora Unijuí.

Sangiogo, Fábio A. A elaboração conceitual sobre representações de partículas submicroscópicas em aulas de química da educação básica: aspectos pedagógicos e epistemológicos. 2014. Tese (Doutorado em Educação cientifica e tecnológica) Programa de Pós- Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/123168. Acesso em: 26 de setembro de 2018.

Silva, Henrique C.; Zimmermann, Erika; Carneiro, Maria H. S.; Gastal, Maria L. & Cassiano, Webster S. (2006). Cautela ao usar imagens em aulas de Ciências. Ciência & Educação. v. 12, n. 2, p. 219-233.

Silva, Jackson Gois da. A significação de representações químicas e a filosofia de Wittgenstein. 2012. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-29082012-104740/publico/tese.pdf. Acesso em: 07 de setembro de 2018. DOI: 10.11606/T.48.2012.tde-29082012-104740.

Souza, Karina Aparecida de Freitas Dias de. Estratégias de comunicação em química como índices epistemológicos: análise semiótica das ilustrações presentes em livros didáticos ao longo do século XX. 2012. Tese (Doutorado em Química) - Instituto de Química, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46136/tde-08052013-095035/pt-br.php. Acesso em: 2018-09-07. DOI:10.11606/T.46.2012.tde-08052013-095035.

Wartha, E. J. Processos de ensino e aprendizagem de conceitos de Química Orgânica sob um olhar da Semiótica Peirceana. 2013. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências), Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-27112014-160633/pt-br.php. Acesso em: 25 de setembro de 2018.

Downloads

Publicado

2021-08-07

Como Citar

Moreira, A. C. L., Marinalva da Silva , D. ., Silva Mota , D. ., & Rodrigues de Farias , D. (2021). Modelos atômicos: correlações entre aspectos representacionais e a essência do conhecimento. Revista Debates Em Ensino De Química, 7(1), 186–200. Recuperado de http://www.journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/3382

Edição

Seção

Debates em Ensino e Aprendizagem da Química

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)