Análises de habilidades argumentativas apresentadas por alunos em um júri simulado e de suas reflexões sobre os processos argumentativos vivenciados

Autores

Palavras-chave:

Habilidades Argumentativas, Júri Simulado, Argumentação

Resumo

Pesquisadores têm defendido o envolvimento dos alunos em situações argumentativas a fim de contribuir para o desenvolvimento de suas habilidades argumentativas. Nesse sentido, analisamos: (i) as habilidades argumentativas manifestadas por alunos do 2° ano do Ensino Médio em uma situação de júri simulado; e (ii) as reflexões dos alunos sobre os argumentos apresentados por eles no júri simulado. Baseado nisso, discutimos: (i) as habilidades argumentativas manifestadas pelos alunos; e (ii) as reflexões dos alunos sobre os argumentos apresentados no júri simulado e suas relações com as habilidades argumentativas. Os dados foram coletados em uma situação real de ensino, envolvendo observação, registro em vídeo e transcrições de quatro aulas relacionadas a apresentação, preparação, realização e discussão do júri simulado. Os resultados apontam que os alunos são capazes de identificar dados relevantes para à questão, mas enfrentam dificuldade em mobilizar evidências durante o júri simulado. Ainda, os alunos demonstram ser capazes de formular refutações e estabelecer critérios para avaliar dados apresentados. Por fim, esse trabalho destaca as contribuições da estratégia de júri simulado para o ensino de argumentação em sala de aula e o papel do professor na criação e condução de situações argumentativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelyn Rodrigues Gaspareto, Universidade de Brasília

Aluna de graduação do curso de Química Licenciatura da Universidade de Brasília.

Stefannie de Sá Ibraim, Universidade de Brasília

Doutora em Educação e Professora do Instituto de Química da Universidade de Brasília, Divisão de Ensino

Referências

Allchin, Douglas. (2013). Teaching the nature of science: Perspectives and resources. St. Paul: SHiPS Education Press.

Andriessen, Jerry, Baker, Michael, & Suthers, Dan. (2003). Arguing to Learn: Confronting Cognitions in Computer-Supported Collaborative Learning Environments. Dordecht: Kluwer.

Brasil. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação.

Bravo Torija, Beatriz, & Jiménez-Aleixandre, Maria Pilar. (2010). ¿Salmones o sardinas? A teaching sequence to promote the use of evidence and argumentation about ecology. Alambique, 63, 19-25.

Carvalho, Anna Maria Pessoa. (2013). O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In A. M. P. Carvalho (Ed.), Ensino de Ciências por Investigação (pp. 1-20). São Paulo: Cengage Learning.

Cohen, Louis, Manion, Lawrence, & Morrison, Keith. (2011). Research Methods in Education (7th ed.). New York: Routledge.

Ferraz, Arthur Tadeu, & Sasseron, Lúcia Helena. (2017). Espaço Interativo de Argumentação Colaborativa: Condições Criadas pelo Professor para Promover Argumentação em Aulas Investigativas. Ensaio: Pesquisa e Educação em Ciências, 19, 1-25.

Ibraim, Stefannie de Sá, & Justi, Rosária. (2016). Teachers’ knowledge in argumentation: contributions from explicit teaching in an initial teacher preparation programme. International Journal Science Education, 38(12), 1996-2025. doi:10.1080/09500693.2016.1221546

Ibraim, Stefannie de Sá, Mendonça, Paula Cristina Cardoso, & Justi, Rosária. (2011, 05 a 09 de dezembro). Avaliação de habilidades argumentativas em um problema científico. Paper presented at the VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Campinas.

Ibraim, Stefannie de Sá, Mendonça, Paula Cristina Cardoso, & Justi, Rosária. (2013). Contribuições dos Esquemas Argumentativos de Walton para análise de argumentos no contexto do Ensino de Ciências. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 1, 159-185.

Jiménez-Aleixandre, Maria Pilar. (2010). 10 ideas clave: competencias en argumentación y uso de pruebas. Barcelona: Graó.

Jiménez-Aleixandre, Maria Pilar, & Erduran, Simon. (2008). Argumentation in Science Education: An overview. In S. Erduran & M. P. Jiménez-Aleixandre (Eds.), Argumentation in Science Education: Perspectives from Classroom-Based Research (pp. 3-27). Dordrecht: Springer.

Justi, Rosária. (2006). La Ensenãnza de Ciencias Baseada en La Elaboración de Modelos. . Enseñanza de las ciencias, 24(2), 173-194.

Kuhn, Deanna. (1991). The Skills of Argument. New York: Cambridge University.

Kuhn, Deanna. (2005). Education for thinking. Cambridge: Harvard University Press.

Kuhn, Deanna. (2019). Critical Thinking as Discourse. Hum0, 62, 146-164. doi:10.1159/000500171

Kuhn, Deanna, Amsel, Eric, & O'Loughlin, Michael. (1998). The development of scientific thinking skills. San Diego: Academic Press.

Kuhn, Deanna, & Udell, Wadiya. (2003). The development of argument skills. Child development, 74, 1245-1260.

Leitão, Selma. (2011). O lugar da argumentação na construção do conhecimento em sala de aula. In S. Leitão & M. C. Damianovic (Eds.), Argumentação na Escola: O Conhecimento em Construção. Campinas: Pontes Editores.

McNeill, Katherine L. (2011). Elementary Students' Views of Explanation, Argumentation, and Evidence, and Their Abilities to Construct Arguments Over the School Year. Journal of Research in Science Teaching, 48(7), 793-823.

McNeill, Katherine L., & Knight, Amanda M. (2013). Teachers’ Pedagogical Content Knowledge of Scientific Argumentation: The Impact of Professional Development on K–12 Teachers. Science Education, 97(6), 936-972. doi:https://doi.org/10.1002/sce.21081

Mendonça, Paula Cristina Cardoso, & Justi, Rosária. (2011). Contributions of the 'model of modelling' diagram to the learning of ionic bonding: analysis of a case study. Research in Science Education, 41, 479-503.

Mortimer, Eduardo. Fluery., & Scott, Phillip H. (2003). Meaning Making in Secondary Science Classrooms. Philadelphia: Open University Press.

Oliveira, Alessandro Silva, & Soares, Marlón. Herbert Flora Barbosa. (2005). Júri químico e a discussão de conceitos químicos. Química Nova na Escola, 21, 18-24.

Osborne, Jonathan. (2007). Towards a more social pedagogy in science education: the role of argumentation. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 7(1), 1-17.

Osborne, Jonathan. (2010). Arguing to learn in science: The role of collaborative, critical discourse. Science, 328(5977), 463-466. doi:10.1126/science.1183944

Osborne, Jonathan, & Dillon, Justin. (2010). How science works: what is the nature of scientific reasoning and what do we know about students' understanding? In J. Osborne & J. Dillon (Eds.), Good Practice in Science Teaching: what research has to say (pp. 20-46). New York: Openup.

Sandoval, William A., & Millwood, Kelli A. (2008). What Can Argumentation Tell Us About Epistemology? In S. Erduran & M. P. Jiménez-Aleixandre (Eds.), Argumentation in Science Education: Perspectives from Classroom-Based Research (pp. 71-90). Dordrecht: Springer.

Schwarz, Baruch B. (2009). Argumentation and Education: Theoretical Foundations and Practices. In N. M. Mirza & A.-N. Perret-Clermont (Eds.), Argumentation and Learning (pp. 91-126). Dordretch: Springer.

Van Eemeren, Fran H., Garssen, Bart, Krabbe, Eric C. W., Henkemans, A Francisca Snoeck, Verheij, Bart, & Wagemans, Jean H. M. (2014). Handbook of Argumentation Theory. Dordrecht: Springer.

Van Eemeren, Fran H., Grootendorst, Rob, & Blair, J Anthony. (1987). Argumentation: Across the Lines of Discipline. Dordrecht: Foris Publications

van Eemeren, Fran H., Grootendorst, Rob, Johnson, Ralph H., Plantin, Christian, & Willard, Charles A. (1996). Fundamentals of argumentation theory: A handbook of historical backgrounds and contemporary developments. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum.

Wang, Jianlan. (2020). Scrutinising the positions of students and teacher engaged in argumentation in a high school physics classroom. International Journal of Science Education, 42(1), 25-49. doi:https://doi.org/10.1080/09500693.2019.1700315

Downloads

Publicado

2021-08-07

Como Citar

Gaspareto, E. R., & Ibraim, S. de S. (2021). Análises de habilidades argumentativas apresentadas por alunos em um júri simulado e de suas reflexões sobre os processos argumentativos vivenciados. Revista Debates Em Ensino De Química, 7(1), 328–343. Recuperado de http://www.journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/3617

Edição

Seção

Debates em Linguagem no Ensino de Química